Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

22 de abril de 2015

Nutrição

Radicais livres: combatê-los ou não combatê-los?

Eis a questão! Essas pequenas partículas subatômicas têm dado o que falar, e não por menos. Sua principal característica físico-química chega a assustar: são altamente instáveis e, portanto, altamente reativas, podendo se ligar a vários tipos de moléculas a fim de tornarem-se estáveis. O problema é que a reação entre um radical livre e uma molécula qualquer pode modificar a estrutura e a função dessa molécula. A consequência? Perdas funcionais. Mas será que precisamos deliberadamente tomar medidas para combater os radicais livres? Mais ainda: será que todos esses conselhos nutricionais, frutinhas da moda (caríssimas e nem sempre palatáveis!) e os polivitamínicos terão algum benefício real? Vejamos as respostas...


Radicais livres: o que são, onde e por que são produzidos?


A definição química não é das mais fáceis de se entender, mas vamos lá: radicais livres são átomos ou moléculas que apresentam um elétron desemparelhado, ou número ímpar de elétrons, em sua última camada eletrônica. Tal elétron “solitário”, em sua busca frenética por um outro elétron, pode reagir com “qualquer coisa” que esteja a sua frente, causando danos a essa molécula. Em nosso organismo, existem duas grandes categorias de radicais livres: as espécies reativas de oxigênio e as espécies reativas de nitrogênio. Para manter a simplicidade do texto, vou discutir principalmente as espécies reativas de oxigênio (doravante referidas como EROs). 


As EROs são produtos naturais dos processos oxidativos que ocorrem em nossas células. Basicamente, esses processos oxidativos acontecem nas mitocôndrias, locais onde as células extraem energia dos alimentos. Portanto, produzir energia implica em produzir radicais livres, e não há como evitar tal produção. Uma vez que os músculos produzem muita e são dotados de muitas mitocôndrias, eles acabam sendo um dos principais locais de produção das EROs.



Danos causados pelas EROs e suas consequências orgânicas


As EROs podem reagir com muitas moléculas em sua proximidade. O problema é que, dentro das mitocôndrias, onde são largamente produzidas, existe muito DNA, que pode sofrer danos. Outro problema é que as mitocôndrias se renovam e, para tanto, precisam copiar o material genético (DNA) das mitocôndrias já existentes. Se o DNA já estiver danificado, a cópia já conterá as danos anteriores, os que se somarão aos novos danos. O resultado desse acúmulo de danos ao DNA ao longo do tempo é a diminuição da função da mitocôndria. Em outras palavras, ao longo do tempo (leia-se envelhecimento), ocorre um acúmulo de danos ao DNA mitocondrial causados pelas EROs, os quais resultam em diminuição da capacidade de produzir energia. Essa é a base da teoria do envelhecimento mitocondrial e, não ao acaso, as pessoas, ao envelhecerem, perdem progressivamente sua capacidade de produzir energia e de realizar exercícios que dependem do metabolismo aeróbio (leia mais aqui). Por esse mesmo motivo, o combate aos radicais livres promete efeitos “antienvelhecimento”. Mas já iremos abordar essa questão em mais detalhes.


Em outros tecidos, os radicais livres também podem ter efeitos deletérios. Por exemplo, a exposição da pele a agentes agressores, como a radiação U.V., aumenta a produção de radicais livres nas células da pele, causando o foto-envelhecimento. Na verdade, cerca de 50 doenças já foram associadas a algum tipo de desequilíbrio entre produção de radicais livres.



Radicais livres e exercício: a importante diferença entre o estímulo benéfico e produção exacerbada


Embora os radicais livres e EROs tenham sim papel em diversas doenças e também no envelhecimento, é importante fazermos uma distinção entre produção fisiológica de radicais livres e estresse oxidativo.


Nosso organismo é dotado de diversos sistemas de defesa contra os danos provocados pelos radicais livres, e eles funcionam muito bem quando estão em equilíbrio com a produção. Portanto, simplesmente produzir radicais livres não é algo preocupante, pois conseguimos muito bem lidar com eles. Mais ainda, os radicais livres atuam como desencadeadores de efeitos benéficos, especialmente no contexto do exercício físico. Estudos mostram que o exercício aumenta a produção de radicais livres, mas que aumentam também as defesas antioxidantes naturais, de tal forma que o equilíbrio se mantém. Os estudos mostram ainda que os radicais livres são necessários para que o organismos se adapte ao exercício. Em outras palavras, a produção dos radicais livres são imprescindíveis para que o exercício realmente resulte nos benefícios que já conhecemos bem. Ao combater artificialmente os radicais livres, combatemos esse importante gatilho para adaptações que são benéficas. É como se o tiro saísse pela culatra.


Em um outra situação bastante diferente, existe o estresse oxidativo. Nesses casos, a produção de radicais livres excede em muito a capacidade do organismos de neutralizá-los. Isso pode acontecer em doenças que resultam em perda das defesas antioxidantes ou em aumento da produção de radicais livres. Outra situação comum é quando há excesso de exercício físico, especialmente o aeróbio de longa duração (isto é, algo próximo a duas horas, ou mais – leia mais aqui). Embora volumes de treino assim elevados sejam raros em praticantes de exercício, maratonistas, triatletas, ciclistas e atletas de modalidades de longa duração estão muito sujeitos aos danos causados pelo estresse oxidativo. Como sempre dizemos: esporte de alto-nível está longe de ser saudável. Mas para o indivíduo comum, que simplesmente vai à academia e pratica seus treinos aeróbios 2-4 vezes na semana, os radicais livres são mais benéficos do que maléficos e, logo, não há porque combatê-los.



Suplementação de vitaminas e outros antioxidantes não vale a pena para atletas, muito menos para não-atletas


Para quem é apenas um praticante regular de exercícios e não se sujeita às rotinas de treino de atletas de competição, a literatura é bastante clara: não existem benefícios com a suplementação de antioxidantes (vitaminas A, C e E e coenzima Q10, entre outros). Ao contrário, a suplementação pode até atrapalhar as adaptações ao exercício, uma vez que combater os radicais livres pode significar combater um importante estímulo (veja aqui). Para quem é atleta, apesar do estresse oxidativo ser uma preocupação legítima, o uso de suplementos também não parece ser muito efetivo. É o que mostram diferentes estudos, como este, este e este.



Um abraço e até a próxima!



Guilherme Artioli - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br







Comentários

Veja também


- Alimentação Infantil
- Suplementos Nutricionais: aprecie com moderação!
- Reidratar com cerveja?
- Existe algo especial nas dietas low-carb?
- Qual o melhor tipo de whey: concentrado, isolado ou hidrolisado?
- Frutose - devemos nos preocupar?
- A gordura saturada aumenta o risco cardiovascular?
- Como preparar seu intestino para os suplementos esportivos.
- Rapadura durante os treinos longos.
- Proteínas, quanto mais melhor?
- Vitamina C para gripes e resfriados? Entenda como (e se) funciona
- O atleta que consome muito café também se beneficia da suplementação de cafeína no esporte?
- Como o estresse influencia a dieta?
- Jejum Intermitente - parte 2!
- Emagrecimento. Uma caloria é só uma caloria e pronto. Será mesmo?
- Jejum Intermitente - parte 1!
- Os diferentes tipos de açúcar presente nos alimentos que muita gente não conhece.
- Alimentação infantil
- Café com óleo de côco emagrece?
- “O bom da dieta é que eu não tenho que pensar.”
- Afinal, se não é para fazer dieta, posso comer à vontade?
- Por que ler o rótulo de alimentos industrializados é tão importante? E o que devo ler?
- Atletas que tomam muito café não se beneficiam da suplementação de cafeína?
- Comedor compulivo ou impulsivo?
- O que são alimentos frescos, processados e ultraprocessados?
- Proteínas antes de dormir e hipertrofia.
- Proteínas, quanto mais melhor…será mesmo?
- Carboidratos de baixo índice glicêmico (waxy-maize e isomaltulose) são superiores aos carboidratos convencionais?
- Quanto os atletas comem?
- Amino Spiking: o bom (#SQN) e velho gato por lebre na indústria de suplementos
- Refrigerante para provas/treinos de longa duração?
- Suplementar cafeína atrapalha os efeitos da creatina?
- Índice Glicêmico - um conceito supervalorizado?
- Senhores pais, por favor, prestem atenção ao que seus filhos estão comendo!
- É preciso comer de 3 em 3 horas para ganhar massa muscular?
- Comer de 3 em 3 horas emagrece?
- Proteínas e saciedade.
- Comer de 3 em 3 horas aumenta o gasto energético?
- Alimentos com baixa caloria funcionam?
- Suplementação com Bicarbonato de Sódio
- Café da manhã, a refeição mais importante do dia ou a mais supervalorizada?
- Afinal, por que há tantas controvérsias no mundo da nutrição?
- Suplementos alimentares - como saber qual funciona?
- Leucina auxilia na hipertrofia muscular?
- O que comer no pós-treino: suplementos ou fast food??
- Carnitina aumenta a queima de gordura, mas....
- Por que paramos (ou não) de comer?
- Filme = Pipoca? Cuidado!
- Qual é o melhor óleo para cozinhar?
- Precisamos suplementar sódio durante o exercício prolongado?
- Nutrição Esportiva: de olho na resposta individual de cada atleta!
- Quem realmente precisa de isotônicos?
- Beta-alanina: o que é, como funciona e quais seus efeitos?
- Dieta da proteína, Atkins, Dukan, cetogênica...
- Barrinhas de proteínas?
- Tribulus Terrestris e as falsas propagandas de aumento de testosterona, força e massa muscular
- O papel dos carboidratos na reposição de glicogênio muscular
- Suco de beterraba e suplementação de nitrato: seguro e efetivo?
- “Correr, correr, é o melhor para poder emagrecer...” será mesmo?
- Afinal, há pontos positivos na dieta paleolítica???
- Paleo diet: a mais nova-antiga dieta da moda
- Atletas adolescentes precisam de suplementos esportivos?
- Carboidratos podem melhorar o desempenho físico, mesmo se você não os ingerir.
- Suplementação de carboidratos durante o exercício.
- Existe alimento proibido?
- Frango com batata doce?
- Qual a melhor whey protein: concentrada, isolada ou hidrolisada?
- Carboidrato e performance: "train low compete high"
- Consumo de carboidratos no pré-treino, quem precisa se preocupar?
- Carboidratos e ganho de massa muscular
- Quem precisa suplementar antioxidantes?
- Creatina, qual a melhor forma?
- Creatina antes ou depois do treino? Um novo estudo reabre a questão...
- Intervenção da Nutrição no "Medida Certa" do Fantástico
- Suplementação de proteínas e a "Janela de Oportunidade"
- Se eu não devo fazer dieta, o que eu faço?
- O que são e como funcionam (se é que funcionam...) os suplementos “pré-treino”?
- Suplementação de carboidratos: alimento ou suplemento?
- Com culote ... "sans culotte"
- Radicais livres: combatê-los ou não combatê-los?
- Suco de beterraba para “nitrar” seu treino!
- Frutose: devemos nos preocupar?
- Guia Alimentar para a População Brasileira: o guia que acertou em cheio e conquistou o mundo!
- Suplementação de proteínas e emagrecimento
- Comida vicia?
- Suplementação de arginina e citrulina melhoram o desempenho?
- Para ganhar mais massa magra, devo comer de 3 em 3 horas?
- Bifinho para ficar fortinho!
- Suplementação de proteínas e exercícios de endurance: além da hipertrofia muscular
- Comer de 3 em 3 horas ... porque mesmo?
- Suplementação de creatina: tem que fazer “carregamento”?
- Suplementação de glutamina e intestino: para quem?
- BCAAs para corredores e maratonistas: mais um caso de desperdício de dinheiro?
- Perigo: suplemento contaminado!
- BCAAs e Treinamento de Força
- Se um alimento pode dar alergia, o melhor é evitá-lo? Não.
- Vale a pena suplementar glutamina?
- Ciência Informa responde: Comer salada antes da refeição faz com que eu coma menos?
- Frutinhas milagrosas: qual o real benefício do goji berry?
- Nos alimentamos de nutrientes ou comida?
- Suplementos de Vitaminas e Minerais engordam?
- Chá verde, chá branco e chá oolong realmente emagrecem?
- Treinamento concorrente: mais uma aplicação da suplementação de creatina
- Termogênicos (Parte 3): o que esperar da cafeína?
- Termogênicos parte 2: A falha lógica das substâncias termogênicas
- Dietas Restritivas: Detox….desintoxicar o que?
- Ciência Informa Responde: maltodextrina
- Termogênicos parte I: carnitina como fat burner
- Suplementação de HMB: muito bom para ser verdade?
- Alimentos diet e light funcionam?
- Em excesso, até água faz mal!
- O que os suplementos realmente podem fazer por você?
- Proteína para que te quero - Parte 5: Suplementação de proteínas para idosos
- Carboidrato e Peso Corporal
- Quais os riscos da suplementação com beta-alanina?
- Proteína para que te quero - Parte 4: A JANELA DE OPORTUNIDADE e a suplementação de proteínas
- A desidratação realmente piora o desempenho esportivo?
- Proteína para que te quero - Parte 3: A fonte de proteína faz a diferença? Qual a melhor fonte proteica?
- Beta-alanina para quem?
- Proteína para que te quero - Parte 2
- Alimentação é uma simples questão de escolha?
- Proteína para que te quero - Parte 1
- Beta-alanina: o que é e o que faz esse novo suplemento?
- Quer emagrecer? Fuja das dietas...
- Suplementação de creatina: antes ou após o treino?
- Sem Glúten ou Com Glúten?
- Carboidrato à noite engorda?
- Até tu, adoçante?



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo