Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

24 de agosto de 2015

Nutrição

Paleo diet: a mais nova-antiga dieta da moda

O American Journal of Clinical Nutrition (revista científica de renome internacional na área da Nutrição) publicou recentemente um artigo de revisão sobre (mais) uma dieta da moda: a dieta paleolítica, conhecida por muitos como Paleo Diet. Tal artigo gerou certa agitação na comunidade científica devido à sua conclusão: “A Paleo Diet, em curto prazo, resultou em maiores melhoras em componentes da síndrome metabólica quando comparada a dietas usualmente recomendadas”. Contudo, um olhar mais cuidadoso sobre o artigo e, principalmente, sobre a literatura científica do tema coloca em xeque essa conclusão, e traz à tona, mais uma vez, a boa e velha discussão sobre os principais problemas das dietas da moda.


Mas afinal, o que é a Paleo Diet e quais seriam seus benefícios? 



A Paleo Diet, popularizada em 2001 por Loren Cordain, se baseia no tipo de alimentação que nossos antepassados consumiam na chamada Era Paleolítica (~ 3 milhões a 10 mil atrás). Acredita-se que nessa época os humanos consumiam primariamente alimentos de origem animal (e.g., carnes, peixes frutos do mar e ovos), mas também nozes, frutas e vegetais encontrados na natureza. Além disso, eles não consumiam açúcar, sal, óleos vegetais refinados, álcool, cereais, grãos, legumes, leite e derivados (com exceção do consumo de leite materno durante o período de amamentação). A inserção destes alimentos e sua predominância na alimentação teriam ocorrido após a revolução agrícola (10 mil anos atrás), a qual mudou drasticamente o estilo de vida e alimentação do ser humano. 



A principal justificativa dos defensores da Paleo Diet é a de que nossos genes teriam sido moldados principalmente na Era Paleolítica e que as mudanças de estilo de vida e da alimentação impostas pela revolução agrícola seriam muito recentes na escala de tempo da evolução genética, não tendo dado tempo do genoma humano se adaptar a elas. Logo, a alimentação de hoje, totalmente diferente daquela a qual o nosso genoma foi adaptado, explicaria o aumento dramático das doenças da civilização moderna, ou doenças crônicas, como diabetes do tipo 2, hipertensão arterial, doenças cardiovasculares, etc. Muitos artigos se baseiam em estudos com populações modernas de caçadores-coletores (como australianos aborígenes, por exemplo), os quais  mostram que estes indivíduos estão menos suscetíveis a doenças crônicas e que, quando inseridos no contexto da alimentação e estilo de vida modernos, parecem desenvolver essas doenças. 



Potenciais problemas dessa teoria 



Embora essa teoria pareça plausível, diversos são os seus problemas. Primeiramente, a dieta consumida na Era Paleolítica variava drasticamente de acordo com a região geográfica, clima, e nichos ecológicos que determinavam a disponibilidade de alimento em cada local. Isso quer dizer que algumas populações poderiam consumir uma dieta baseada primariamente em alimentos de origem animal, enquanto outras poderiam ser totalmente vegetarianas. Logo, fica difícil conceber que todos os seres humanos tenham um genoma adaptado exclusivamente a um tipo de alimentação, seja ela qual for. Parece mais coerente imaginar que estamos adaptados a diferentes tipos de dieta, e que isso pode variar amplamente entre indivíduos. 



Em segundo lugar, o aumento drástico da prevalência de doenças crônicas ocorreu essencialmente nos últimos 50 anos, muito tempo depois da revolução agrícola e do aumento do consumo de grãos e cereais. Assim, parece mais plausível assumir que alterações na alimentação desse período, como o aumento do consumo de alimentos industrializados e ultraprocessados, ricos em sódio, açúcar e conservantes, consequências da Revolução Industrial e não na Revolução Agrícola, tenham contribuído para isso. 



Por fim, os estudos com populações de caçadores-coletores inseridos em um estilo de vida moderno não levam em consideração que não apenas a alteração da alimentação pode interferir na resposta desses indivíduos, mas também a drástica redução dos níveis de atividade física. Aliás, esta redução também se deu nos últimos 50 anos, com o advento de elevadores, escadas rolantes, popularização de carros, além de toda a inovação tecnológica que nos torna muito menos fisicamente ativos hoje em dia. Assim, é provável que a combinação da alimentação moderna (dos últimos 50 anos) associada à redução drástica dos níveis de atividade física explique o aumento expressivo da prevalência de doenças crônicas, e não o simples consumo de leites e derivados e grãos e cereais.



Problemas e lições tiradas do artigo de revisão 



Agora vamos ao artigo de revisão mencionado no início do post. Ao olharmos com cuidado para ele, vemos que os autores se basearam em 4 estudos clínicos randomizados e controlados, que tiveram seguimento de 2 semanas a 6 meses. Primeiramente, este é um número muito pequeno de estudos para que conclusões mais expressivas possam ter feitas. Em segundo lugar, todos os estudos eram de muito curta duração, o que certamente interferiu nos resultados. Por exemplo, o estudo com resultados mais expressivos a favor da Paleo Diet foi o de apenas 2 semanas. Além disso, o estudo clínico com dados de seguimento de 6 meses (estudo de Mellberg et al, 2014) tinha seguimento de 2 anos na sua publicação original. E o mais interessante deste estudo: aos 6 meses, o grupo submetido à Paleo Diet apresentava perda um pouco maior de gordura abdominal quando comparado ao grupo submetido à uma dieta hipocalórica padrão; contudo, essas diferenças não mais existiam aos 2 anos. Isso significa que os dois grupos perderam peso e gordura de forma similar após 2 anos, independente do tipo de dieta. A mesma tendência foi observada para os parâmetros metabólicos (e.g., glicose sanguínea, perfil lipídico e pressão arterial). Logo, se os dados de 2 anos (e não 6 meses) tivessem sido incluídos no artigo de revisão, suas conclusões provavelmente seriam bem diferentes. 





Figura retirada do artigo de Mellberg e col., 2014. Esta figura mostra que aos 6 meses, a perda de gordura total (fat mass) e de gordura abdominal (waist circumference) foi um pouco maior no grupo que fez a Paleo Diet (PD) quando comparado ao grupo submetido à dieta padrão (NNR). Contudo, essas diferenças não mais existiam aos 2 anos (24 months).



Estes dados trazem à tona o GRANDE problema de dietas que restringem grupos alimentares: a pobre aderência a elas. Diversos estudos mostram de forma contundente que embora diferentes tipos de dietas restritivas possam até levar a perdas de peso, gordura e melhora de parâmetros metabólicos um pouco maiores ou menores dependendo da dieta em até 6 meses, essas possíveis diferenças desaparecem em estudos com seguimentos maiores. A explicação é simples: as pessoas simplesmente param de seguir as dietas após este período! A figura abaixo mostra a aderência a 4 tipos diferentes de dieta ao longo de um ano! Vejam que, independentemente do tipo de dieta, a aderência vai diminuindo ao longo do tempo, o que provavelmente explica o famoso efeito temporário de dietas restritivas. 





Figura retirada do artigo de Dansinger e col., 2005, que mostra a diminuição da aderência a 4 tipos diferentes de dieta ao longo de 1 ano.



Conclusões



Parece plausível concluirmos que não parece haver um só tipo de alimentação adequado para todos. O ideal é que cada um busque uma alimentação que seja adequada e saudável em todos os sentidos, dentro da realidade de cada um e, claro, sempre associada à prática de atividade física. Aliás, este parece ser o grande mal que assola a comunidade científica hoje em dia quando se fala de prevenção e tratamento de doenças crônicas: a guerra que alguns cientistas travam para que encontremos o “grande culpado”, alimentação inadequada OU inatividade física, quando parece bastante claro que a união dos dois fatores é que faz a diferença!



Até a próxima!



Fabiana Benatti - Blog Ciência inForma



www.cienciainforma.com.br







Comentários

Veja também


- Alimentação Infantil
- Suplementos Nutricionais: aprecie com moderação!
- Reidratar com cerveja?
- Existe algo especial nas dietas low-carb?
- Qual o melhor tipo de whey: concentrado, isolado ou hidrolisado?
- Frutose - devemos nos preocupar?
- A gordura saturada aumenta o risco cardiovascular?
- Como preparar seu intestino para os suplementos esportivos.
- Rapadura durante os treinos longos.
- Proteínas, quanto mais melhor?
- Vitamina C para gripes e resfriados? Entenda como (e se) funciona
- O atleta que consome muito café também se beneficia da suplementação de cafeína no esporte?
- Como o estresse influencia a dieta?
- Jejum Intermitente - parte 2!
- Emagrecimento. Uma caloria é só uma caloria e pronto. Será mesmo?
- Jejum Intermitente - parte 1!
- Os diferentes tipos de açúcar presente nos alimentos que muita gente não conhece.
- Alimentação infantil
- Café com óleo de côco emagrece?
- “O bom da dieta é que eu não tenho que pensar.”
- Afinal, se não é para fazer dieta, posso comer à vontade?
- Por que ler o rótulo de alimentos industrializados é tão importante? E o que devo ler?
- Atletas que tomam muito café não se beneficiam da suplementação de cafeína?
- Comedor compulivo ou impulsivo?
- O que são alimentos frescos, processados e ultraprocessados?
- Proteínas antes de dormir e hipertrofia.
- Proteínas, quanto mais melhor…será mesmo?
- Carboidratos de baixo índice glicêmico (waxy-maize e isomaltulose) são superiores aos carboidratos convencionais?
- Quanto os atletas comem?
- Amino Spiking: o bom (#SQN) e velho gato por lebre na indústria de suplementos
- Refrigerante para provas/treinos de longa duração?
- Suplementar cafeína atrapalha os efeitos da creatina?
- Índice Glicêmico - um conceito supervalorizado?
- Senhores pais, por favor, prestem atenção ao que seus filhos estão comendo!
- É preciso comer de 3 em 3 horas para ganhar massa muscular?
- Comer de 3 em 3 horas emagrece?
- Proteínas e saciedade.
- Comer de 3 em 3 horas aumenta o gasto energético?
- Alimentos com baixa caloria funcionam?
- Suplementação com Bicarbonato de Sódio
- Café da manhã, a refeição mais importante do dia ou a mais supervalorizada?
- Afinal, por que há tantas controvérsias no mundo da nutrição?
- Suplementos alimentares - como saber qual funciona?
- Leucina auxilia na hipertrofia muscular?
- O que comer no pós-treino: suplementos ou fast food??
- Carnitina aumenta a queima de gordura, mas....
- Por que paramos (ou não) de comer?
- Filme = Pipoca? Cuidado!
- Qual é o melhor óleo para cozinhar?
- Precisamos suplementar sódio durante o exercício prolongado?
- Nutrição Esportiva: de olho na resposta individual de cada atleta!
- Quem realmente precisa de isotônicos?
- Beta-alanina: o que é, como funciona e quais seus efeitos?
- Dieta da proteína, Atkins, Dukan, cetogênica...
- Barrinhas de proteínas?
- Tribulus Terrestris e as falsas propagandas de aumento de testosterona, força e massa muscular
- O papel dos carboidratos na reposição de glicogênio muscular
- Suco de beterraba e suplementação de nitrato: seguro e efetivo?
- “Correr, correr, é o melhor para poder emagrecer...” será mesmo?
- Afinal, há pontos positivos na dieta paleolítica???
- Paleo diet: a mais nova-antiga dieta da moda
- Atletas adolescentes precisam de suplementos esportivos?
- Carboidratos podem melhorar o desempenho físico, mesmo se você não os ingerir.
- Suplementação de carboidratos durante o exercício.
- Existe alimento proibido?
- Frango com batata doce?
- Qual a melhor whey protein: concentrada, isolada ou hidrolisada?
- Carboidrato e performance: "train low compete high"
- Consumo de carboidratos no pré-treino, quem precisa se preocupar?
- Carboidratos e ganho de massa muscular
- Quem precisa suplementar antioxidantes?
- Creatina, qual a melhor forma?
- Creatina antes ou depois do treino? Um novo estudo reabre a questão...
- Intervenção da Nutrição no "Medida Certa" do Fantástico
- Suplementação de proteínas e a "Janela de Oportunidade"
- Se eu não devo fazer dieta, o que eu faço?
- O que são e como funcionam (se é que funcionam...) os suplementos “pré-treino”?
- Suplementação de carboidratos: alimento ou suplemento?
- Com culote ... "sans culotte"
- Radicais livres: combatê-los ou não combatê-los?
- Suco de beterraba para “nitrar” seu treino!
- Frutose: devemos nos preocupar?
- Guia Alimentar para a População Brasileira: o guia que acertou em cheio e conquistou o mundo!
- Suplementação de proteínas e emagrecimento
- Comida vicia?
- Suplementação de arginina e citrulina melhoram o desempenho?
- Para ganhar mais massa magra, devo comer de 3 em 3 horas?
- Bifinho para ficar fortinho!
- Suplementação de proteínas e exercícios de endurance: além da hipertrofia muscular
- Comer de 3 em 3 horas ... porque mesmo?
- Suplementação de creatina: tem que fazer “carregamento”?
- Suplementação de glutamina e intestino: para quem?
- BCAAs para corredores e maratonistas: mais um caso de desperdício de dinheiro?
- Perigo: suplemento contaminado!
- BCAAs e Treinamento de Força
- Se um alimento pode dar alergia, o melhor é evitá-lo? Não.
- Vale a pena suplementar glutamina?
- Ciência Informa responde: Comer salada antes da refeição faz com que eu coma menos?
- Frutinhas milagrosas: qual o real benefício do goji berry?
- Nos alimentamos de nutrientes ou comida?
- Suplementos de Vitaminas e Minerais engordam?
- Chá verde, chá branco e chá oolong realmente emagrecem?
- Treinamento concorrente: mais uma aplicação da suplementação de creatina
- Termogênicos (Parte 3): o que esperar da cafeína?
- Termogênicos parte 2: A falha lógica das substâncias termogênicas
- Dietas Restritivas: Detox….desintoxicar o que?
- Ciência Informa Responde: maltodextrina
- Termogênicos parte I: carnitina como fat burner
- Suplementação de HMB: muito bom para ser verdade?
- Alimentos diet e light funcionam?
- Em excesso, até água faz mal!
- O que os suplementos realmente podem fazer por você?
- Proteína para que te quero - Parte 5: Suplementação de proteínas para idosos
- Carboidrato e Peso Corporal
- Quais os riscos da suplementação com beta-alanina?
- Proteína para que te quero - Parte 4: A JANELA DE OPORTUNIDADE e a suplementação de proteínas
- A desidratação realmente piora o desempenho esportivo?
- Proteína para que te quero - Parte 3: A fonte de proteína faz a diferença? Qual a melhor fonte proteica?
- Beta-alanina para quem?
- Proteína para que te quero - Parte 2
- Alimentação é uma simples questão de escolha?
- Proteína para que te quero - Parte 1
- Beta-alanina: o que é e o que faz esse novo suplemento?
- Quer emagrecer? Fuja das dietas...
- Suplementação de creatina: antes ou após o treino?
- Sem Glúten ou Com Glúten?
- Carboidrato à noite engorda?
- Até tu, adoçante?



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo