Home Nutri√ß√£o Exerc√≠cios Sa√ļde Quem Somos A que viemos Contato

18 de julho de 2017

Nutrição

Vitamina C para gripes e resfriados? Entenda como (e se) funciona

Embora não exista um tratamento efetivo para prevenção e combate ao resfriado, não faltam métodos alternativos que prometem aliviar os sintomas, acelerar a recuperação e até mesmo prevenir o resfriado. Você já ouviu que vitamina C é bom para gripes e resfriados? Entenda como isso funciona, se é que funciona.


O resfriado comum pode ser causado por mais de uma centena de vírus diferentes. Já a gripe é causada pelo vírus influenza, em suas inúmeras formas. Embora o resfriado comum e a gripe compartilhem sintomas semelhantes, os dois quadros apresentam diferenças importantes. Primeiro, a gripe tende a ser mais severa do que os resfriados; os sintomas tendem a ser mais intensos e o tempo para se recuperar é geralmente mais longo. Além disso, a gripe pode trazer riscos importantes à saúde, pois em casos graves pode vir acompanhada de infecções bacterianas (ex.: infecção do ouvido, pneumonia ou até mesmo miocardite), rabdomiólise, falência renal e até falência de múltiplos órgãos.



O tratamento da gripe inclui controle dos sintomas e o uso de medicamentos antivirais. Já para o resfriado, parece não haver uma droga que combata o vírus de modo suficientemente efetivo que justifique seu uso. Além disso, trata-se de uma condição de baixo risco que se “resolve sozinha” na imensa maioria das vezes; portanto, o tratamento é tipicamente focado no controle dos sintomas (ex.: uso de descongestionantes nasais, antitérmicos e medicamentos contra a dor). Ainda que não exista um tratamento efetivo contra suas causas, não faltam tratamentos alternativos que prometem reduzir a incidência do resfriado comum, minimizar seus sintomas ou até mesmo acelerar a recuperação. Dentre eles, a suplementação de superdoses de vitamina C (acima de 200 mg/dia) é certamente um dos mais populares. Mas até que ponto é um tratamento eficaz?



Um pouco sobre a vitamina C



A vitamina C, ou ácido ascórbico, desempenha importantes funções em nosso organismo. Dentre elas, destaco a participação na síntese de colágeno (uma das proteínas mais abundantes em nosso organismo), na síntese de carnitina e sua ação antioxidante. A deficiência de vitamina C sabidamente resulta em escorbuto, uma doença cujos sintomas incluem fraqueza muscular e fadiga (em razão da deficiente síntese de carnitina) e problemas em tecidos conectivos diversos, onde o colágeno é essencial. Já sua ação antioxidante tem alimentado hipóteses de propriedades antienvelhecimento da vitamina C. As evidências para isso, no entanto, são fracas. A despeito dos papeis fundamentais exercidos pela vitamina C, nosso organismo não é capaz de sintetizá-la, o que nos torna absolutamente dependentes de sua ingestão via dieta.



O brilhante cientista Linus Pauling e a popularização da vitamina C



Linus Pauling foi, sem dúvidas, um dos mais importantes cientistas de todos os tempos. Contemporâneo de muitos que leem este blog (1901-1994), Linus foi um dos fundadores da química quântica. Seus trabalhos sobre ligações químicas lhe renderam um prêmio Nobel em química. Linus também trabalhou com biomoléculas e, dentre elas, a vitamina C parecia lhe chamar a atenção em especial. Em 1971, Linus publicou a 1ª edição do livro “Vitamina C e o resfriado comum” (tradução livre), onde defendia a suplementação de altas doses de vitamina C para, entre outros benefícios, ter mais resistência contra o resfriado comum. Anos depois, ele publicou outro livro “Como viver mais e sentir-se melhor” (tradução livre), em que defendia que o consumo de superdoses de vitamina C combateria o desenvolvimento não apenas de resfriado e gripe, mas também de doenças cardiovasculares, câncer, e inúmeras outras condições. Entretanto, poucas evidências apoiam tais alegações. Por exemplo, uma meta-análise verificou que a suplementação com antioxidantes (incluindo a vitamina C) não afeta a progressão da aterosclerose. Outra meta-análise observou que a vitamina C não apresenta efeito positivo na prevenção e tratamento de doenças cardiovasculares.



Ainda que as evidências em favor das alegações de Linus a respeito dos benefícios da vitamina C sempre foram bastante controversas, seu prestígio, sua popularidade e a lógica clara em seus argumentos certamente ajudaram a popularizar o uso da vitamina.



Radicais livres, antioxidantes, vitamina C e sistema imune



As propriedades antioxidantes da vitamina C fazem com que ela também desempenhe papeis na regulação da função imune. Isso porque a geração de radicais livres é indispensável para a resposta do hospedeiro quando infectado por agentes invasores. Os radicais livres não apenas constituem uma ferramenta que células do sistema imune usam para matar microrganismos, mas também participam da regulação da quimiotaxia e da fagocitose. Se você não está seguro acerca da importância da capacidade de neutrófilo ou macrófago de se locomoverem para “caçar” um agente invasor e depois de fagocitá-lo para matá-lo, assista este vídeo. Os radicais livres gerados para matar microrganismos fagocitados podem, por outro lado, danificar as membranas das células do sistema imune; uma vez que essas células dependem muito da integridade de suas membranas para reconhecer patógenos e “conversar” com outras células, o dano causado pelos radicais livres pode comprometer a competência da resposta a agentes invasores. 



A vitamina C tem a capacidade aumentar a mobilidade de neutrófilos, como mostra este estudo. No entanto, outros parâmetros da função dos neutrófilos não parecem ser influenciados pela vitamina C. Estudos mostram que infecções resultam em rápida redução da vitamina C presente no sangue e dentro de leucócitos, o que sugere sua participação nas respostas à infecção. Os efeitos imunomoduladores da vitamina C parecem estar associados a uma atenuação no dano causado por radicais livres, graças a sua ação antioxidante. Portanto, parece ser inquestionável a importância da vitamina C para uma boa resposta imune, o que obviamente inclui resistência a infecções diversas (incluindo gripe e resfriado) e capacidade de resolver tais infecções com rapidez. Não por coincidência, casos em que há deficiência de vitamina C são tipicamente acompanhados de imunossupressão. O que se questiona, todavia, é até que ponto pessoas saudáveis e que consomem vitamina C dentro das quantidades recomendadas precisam suplementar vitamina C em altas doses para evitar especificamente resfriados e gripes.



Afinal, devemos suplementar vitamina C?



Existem estudos que apoiam a hipótese de que suplementar com vitamina C reduz as chances de ser acometido por resfriado comum (estudos com gripe são muito mais escassos), de atenuar a severidade de seus sintomas, ou de se recuperar mais rapidamente. No entanto, a literatura no geral está longe de apresentar resultados consistentes; ao contrário, existe bastante disparidade. Meta-análises, no entanto, geralmente apontam para ausência de efeitos positivos da suplementação com doses acima de 200 mg/dia. Uma das mais recentes meta-análises, que contou com mais de 10.500 participantes em mais de 25 ensaios clínicos controlados por placebo não mostrou efeitos consistentes em reduzir a incidência, tampouco a severidade do resfriado. Nesse mesmo estudo, análises de subgrupo incluindo apenas ensaios com doses ≥1 g/dia ou ≥3 g/dia também indicaram não haver benefícios da suplementação na população em geral. No entanto, em subgrupos de indivíduos submetidos a treinamento físico ou estresse intensos, houve uma significativa redução da incidência de resfriados (cerca de 10% em atletas e soldados em condições extremas). Isso parece ocorrer apenas em condições de estresse que duram poucos dias, já que estudos em que os agentes estressores duraram 2-3 meses, nenhum benefício da suplementação foi observado.



Em relação ao tempo de acometimento, a mesma meta-análise mostrou que adultos que suplementam regularmente com vitamina C têm redução de ~10% no tempo de doença, o que pode chegar a ~15% em crianças. Apesar do efeito ser significativo, é preciso refletir sobre a necessidade de suplementar continuamente para uma redução tão pequena em uma doença cujo curso já é curto. Do ponto de vista clínico, o benefício não me parece muito importante.



E se as doses forem maiores?



Na meta-análise mencionada acima, não foi observada nenhuma associação entre a dose utilizada nos estudos e os resultados neles observados. Caso ainda paire uma dúvida, um estudo sobre a cinética de absorção de vitamina C após ingestão oral sugere que a dose máxima tolerável (3 g a cada 4 horas) não resulta em aumentos na concentração sanguínea de vitamina C muito superiores a doses de ~1 g.



Concluindo



Quando não há deficiência de vitamina C, é pouco provável que a suplementação confira proteção contra resfriados, gripes e, por que não, infecções oportunistas em geral. Ainda que exista evidências sobre tempo reduzido de acometimento por resfriados, tal redução é pequena e provavelmente sem relevância clínica. Em situações específicas de estresse, no entanto, os benefícios parecem justificar o uso pontual. Megadoses provavelmente não serão mais efetivas do que doses mais baixas, já que a concentração plasmática de vitamina C parece ser muito bem regulada. Na dúvida, coma muitas frutas e fique tranquilo; afinal, atingir as doses recomendadas de vitamina C pela alimentação é relativamente simples.



Um abraço e até a próxima!



Guilherme Artioli - Blog Ciência InForma



www.cienciainforma.com.br



Para saber mais:



Hemilä H, Chalker E. Vitamin C for preventing and treating the common cold. Cochrane Database Syst Rev. 2013 Jan 31;(1):CD000980.



Wintergerst ES, Silvia Maggini, Dietrich H. Hornig b. Immune-Enhancing Role of Vitamin C and Zinc and Effect on Clinical Conditions. Ann Nutr Metab 2006;50:85–94.



Jacob RA, Sotoudeh G. Vitamin C function and status in chronic disease. Nutr Clin Care. 2002 Mar-Apr;5(2):66-74.



Panush RS, Delafuente JC, Katz P, Johnson J: Modulation of certain immunologic responses by vitamin C. III. Potentiation of in vitro and in vivo lymphocyte response. Int J Vitam Nutr Res Suppl 1982; 23: 35–47. 35



Anderson R, Smit MJ, Joone GK, van Straden AM: Vitamin C and cellular immune functions: protection against hypochlorous acidmediated inactivation of glyceraldehyde-3- phosphate dehydrogenase and ATP generation in human leucocytes as a possible mechanism of ascorbate-mediated immunostimulation. Ann NY Acad Sci 1990; 587: 34–48.



M De La Fuente and V Victor. Anti-oxidants as modulators of immune function. Immunology and Cell Biology (2000) 78, 49–54



Anderson R, Oosthuizen R, Maritz R, Theron A, Van Rensburg AJ: The effects of increasing weekly doses of ascorbate on certain cellular and humoral immune functions in normal volunteers. Am J Clin Nutr 1980; 33: 71–76



Bleys J, Miller ER 3rd, Pastor-Barriuso R, Appel LJ, Guallar E. Vitamin-mineral supplementation and the progression of atherosclerosis: a meta-analysis of randomized controlled trials. Am J Clin Nutr 2006;84:880-7



Shekelle P, Morton S, Hardy M. Effect of supplemental antioxidants vitamin C, vitamin E, and coenzyme Q10 for the prevention and treatment of cardiovascular disease. Evidence Report/Technology Assessment No. 83 AHRQ Publication No. 03-E043. Rockville, MD: Agency for Healthcare Research and Quality, 2003



Padayatty SJ et al. Vitamin C pharmacokinetics: implications for oral and intravenous use. Ann Intern Med. 2004 Apr 6;140(7):533-7.







Coment√°rios

Veja também


- Como preparar seu intestino para os suplementos esportivos.
- Rapadura durante os treinos longos.
- Proteínas, quanto mais melhor?
- Vitamina C para gripes e resfriados? Entenda como (e se) funciona
- O atleta que consome muito café também se beneficia da suplementação de cafeína no esporte?
- Como o estresse influencia a dieta?
- Jejum Intermitente - parte 2!
- Emagrecimento. Uma caloria é só uma caloria e pronto. Será mesmo?
- Jejum Intermitente - parte 1!
- Os diferentes tipos de a√ß√ļcar presente nos alimentos que muita gente n√£o conhece.
- Alimentação infantil
- Caf√© com √≥leo de c√īco emagrece?
- ¬ďO bom da dieta √© que eu n√£o tenho que pensar.¬Ē
- Afinal, se não é para fazer dieta, posso comer à vontade?
- Por que ler o rótulo de alimentos industrializados é tão importante? E o que devo ler?
- Atletas que tomam muito café não se beneficiam da suplementação de cafeína?
- Comedor compulivo ou impulsivo?
- O que s√£o alimentos frescos, processados e ultraprocessados?
- Proteínas antes de dormir e hipertrofia.
- Proteínas, quanto mais melhor…será mesmo?
- Carboidratos de baixo índice glicêmico (waxy-maize e isomaltulose) são superiores aos carboidratos convencionais?
- Quanto os atletas comem?
- Amino Spiking: o bom (#SQN) e velho gato por lebre na ind√ļstria de suplementos
- Refrigerante para provas/treinos de longa duração?
- Suplementar cafeína atrapalha os efeitos da creatina?
- √ćndice Glic√™mico - um conceito supervalorizado?
- Senhores pais, por favor, prestem atenção ao que seus filhos estão comendo!
- √Č preciso comer de 3 em 3 horas para ganhar massa muscular?
- Comer de 3 em 3 horas emagrece?
- Proteínas e saciedade.
- Comer de 3 em 3 horas aumenta o gasto energético?
- Alimentos com baixa caloria funcionam?
- Suplementação com Bicarbonato de Sódio
- Café da manhã, a refeição mais importante do dia ou a mais supervalorizada?
- Afinal, por que há tantas controvérsias no mundo da nutrição?
- Suplementos alimentares - como saber qual funciona?
- Leucina auxilia na hipertrofia muscular?
- O que comer no pós-treino: suplementos ou fast food??
- Carnitina aumenta a queima de gordura, mas....
- Por que paramos (ou n√£o) de comer?
- Filme = Pipoca? Cuidado!
- Qual é o melhor óleo para cozinhar?
- Precisamos suplementar sódio durante o exercício prolongado?
- Nutrição Esportiva: de olho na resposta individual de cada atleta!
- Quem realmente precisa de isot√īnicos?
- Beta-alanina: o que é, como funciona e quais seus efeitos?
- Dieta da proteína, Atkins, Dukan, cetogênica...
- Barrinhas de proteínas?
- Tribulus Terrestris e as falsas propagandas de aumento de testosterona, força e massa muscular
- O papel dos carboidratos na reposição de glicogênio muscular
- Suco de beterraba e suplementação de nitrato: seguro e efetivo?
- ¬ďCorrer, correr, √© o melhor para poder emagrecer...¬Ē ser√° mesmo?
- Afinal, há pontos positivos na dieta paleolítica???
- Paleo diet: a mais nova-antiga dieta da moda
- Atletas adolescentes precisam de suplementos esportivos?
- Carboidratos podem melhorar o desempenho físico, mesmo se você não os ingerir.
- Suplementação de carboidratos durante o exercício.
- Existe alimento proibido?
- Frango com batata doce?
- Qual a melhor whey protein: concentrada, isolada ou hidrolisada?
- Carboidrato e performance: "train low compete high"
- Consumo de carboidratos no pré-treino, quem precisa se preocupar?
- Carboidratos e ganho de massa muscular
- Quem precisa suplementar antioxidantes?
- Creatina, qual a melhor forma?
- Creatina antes ou depois do treino? Um novo estudo reabre a quest√£o...
- Intervenção da Nutrição no "Medida Certa" do Fantástico
- Suplementação de proteínas e a "Janela de Oportunidade"
- Se eu não devo fazer dieta, o que eu faço?
- O que s√£o e como funcionam (se √© que funcionam...) os suplementos ¬ďpr√©-treino¬Ē?
- Suplementação de carboidratos: alimento ou suplemento?
- Com culote ... "sans culotte"
- Radicais livres: combatê-los ou não combatê-los?
- Suco de beterraba para ¬ďnitrar¬Ē seu treino!
- Frutose: devemos nos preocupar?
- Guia Alimentar para a População Brasileira: o guia que acertou em cheio e conquistou o mundo!
- Suplementação de proteínas e emagrecimento
- Comida vicia?
- Suplementação de arginina e citrulina melhoram o desempenho?
- Para ganhar mais massa magra, devo comer de 3 em 3 horas?
- Bifinho para ficar fortinho!
- Suplementação de proteínas e exercícios de endurance: além da hipertrofia muscular
- Comer de 3 em 3 horas ... porque mesmo?
- Suplementa√ß√£o de creatina: tem que fazer ¬ďcarregamento¬Ē?
- Suplementação de glutamina e intestino: para quem?
- BCAAs para corredores e maratonistas: mais um caso de desperdício de dinheiro?
- Perigo: suplemento contaminado!
- BCAAs e Treinamento de Força
- Se um alimento pode dar alergia, o melhor é evitá-lo? Não.
- Vale a pena suplementar glutamina?
- Ciência Informa responde: Comer salada antes da refeição faz com que eu coma menos?
- Frutinhas milagrosas: qual o real benefício do goji berry?
- Nos alimentamos de nutrientes ou comida?
- Suplementos de Vitaminas e Minerais engordam?
- Ch√° verde, ch√° branco e ch√° oolong realmente emagrecem?
- Treinamento concorrente: mais uma aplicação da suplementação de creatina
- Termogênicos (Parte 3): o que esperar da cafeína?
- Termog√™nicos parte 2: A falha l√≥gica das subst√Ęncias termog√™nicas
- Dietas Restritivas: Detox¬Ö.desintoxicar o que?
- Ciência Informa Responde: maltodextrina
- Termogênicos parte I: carnitina como fat burner
- Suplementação de HMB: muito bom para ser verdade?
- Alimentos diet e light funcionam?
- Em excesso, até água faz mal!
- O que os suplementos realmente podem fazer por você?
- Proteína para que te quero - Parte 5: Suplementação de proteínas para idosos
- Carboidrato e Peso Corporal
- Quais os riscos da suplementação com beta-alanina?
- Proteína para que te quero - Parte 4: A JANELA DE OPORTUNIDADE e a suplementação de proteínas
- A desidratação realmente piora o desempenho esportivo?
- Proteína para que te quero - Parte 3: A fonte de proteína faz a diferença? Qual a melhor fonte proteica?
- Beta-alanina para quem?
- Proteína para que te quero - Parte 2
- Alimentação é uma simples questão de escolha?
- Proteína para que te quero - Parte 1
- Beta-alanina: o que é e o que faz esse novo suplemento?
- Quer emagrecer? Fuja das dietas...
- Suplementação de creatina: antes ou após o treino?
- Sem Gl√ļten ou Com Gl√ļten?
- Carboidrato à noite engorda?
- Até tu, adoçante?



Busca

Receba Atualiza√ß√Ķes

Envia sua sugest√£o de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de S√£o Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de S√£o Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de S√£o Paulo