Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

04 de setembro de 2017

Vida e Saúde

“Se eu não tomar meu antibiótico até o fim, vou criar bactérias resistentes?”

De tanto repetida, a ideia de que se deve completar o ciclo de antibiótico para se curar a doença e evitar resistência à bactéria já se tornou um senso comum. No entanto, um recente artigo põe em xeque a eficácia dessa conduta, e sugere que o uso prolongado – e não a interrupção do antibiótico – é o que aumenta os riscos de resistência à infecção.


Quem já não ouviu falar que o ciclo do antibiótico não deve ser jamais interrompido, a fim de evitar resistência bacteriana?



Ao que parece, essa recomendação está com os dias contados. É o que defendem pesquisadores infectologistas britânicos, num artigo publicado na prestigiosa revista British Journal of Medicine.



A mensagem de que a interrupção do uso de antibióticos – mesmo quando o paciente se sente melhor – pode resultar no crescimento de bactérias resistentes tem sido propagada por diversas campanhas de saúde em todo o mundo, algumas das quais lideradas pela própria Organização Mundial da Saúde. Contudo, essa alegação não encontra respaldo científico adequado.



Basicamente, bactérias resistentes podem ser originadas por mutações genéticas espontâneas durante o tratamento, condição denominada seleção-alvo. Este é o caso, por exemplo, que pode ocorrer com a bactéria Mycobacterium tuberculosis, causadora da tuberculose. Outra forma de surgimento de bactérias resistentes é a chamada seleção colateral, em que bactérias aparentemente inofensivas que habitam nosso intestino se tornam patógenos resistentes durante o tratamento para outras infecções. Um exemplo seria a Escherichia coli, com a qual convivemos em nosso ambiente (e em nosso organismo), e que pode atuar como um organismo oportunista e resistente. Hoje em dia, a seleção colateral é a forma mais comum de desenvolvimento de bactérias resistentes. E quão mais longo for o tratamento, maiores são as chances de seleção de organismos resistentes à ação do antibiótico.



Tradicionalmente, os antibióticos são prescritos por períodos mais longos (ex.: 10-14 dias), por conta do receio de um tratamento sub-ótimo e geração de organismos resistentes. Na contramão dessa conduta, porém, há estudos que demonstram que ciclos mais curtos são tão efetivos quanto os mais longos, com as vantagens de reduzir recorrência de infecções e resistência a antibiótico.



A própria concepção de um ciclo fixo de antibiótico parece falha, posto que ignora as respostas individuais dos pacientes. Alternativamente, a fim de nortear a interrupção do uso de antibióticos, sugere-se o uso de biomarcadores – como a procalcitonina, que se eleva durante infecções – ou de modo ainda mais simples, a resolução dos sintomas – como a febre, por exemplo. Novos estudos, entretanto, devem ser realizados a fim de testar se recomendações como “pare de tomar o medicamento quando se sentir melhor” são, de fato, superiores à tradicional “tome o medicamento exatamente como prescrito”.



Concluem os autores que a responsabilidade acerca do uso – e interrupção – de antibióticos deve ser compartilhada entre médico e paciente, com vistas a uma cura completa da doença e, ao mesmo tempo, uma exposição mínima ao medicamento. A individualização do tratamento torna-se peça-chave na manutenção dessa preciosa – embora finita – fonte terapêutica que são os antibióticos.



Até a próxima.



Bruno Gualano - Blog Ciência InForma



www.cienciainforma.com.br



Para saber mais sobre o tema:



Llewelyn et al. The antibiotic course has had its day. BMJ 2017;358:j3418 



Costelloe C et al. Effect of antibiotic prescribing in primary care on antimicrobial resistance in individual patients: systematic review and meta-analysis. BMJ2010;358:c2096.



Uranga A et al. Duration of antibiotic treatment in community-acquired pneumonia: a multicenter randomized clinical trial. JAMA Intern Med2016;358:1257-65.



Schuetz P et al. Procalcitonin algorithms for antibiotic therapy decisions: a systematic review of randomized controlled trials and recommendations for clinical algorithms. Arch Intern Med 2011;358:1322-3







Comentários

Veja também


- “Se eu não tomar meu antibiótico até o fim, vou criar bactérias resistentes?”
- Constipação: muito além da fibra e água!
- Como funciona o efeito placebo? Parte 1
- Obesidade Juvenil - quantas horas por dia seu filho fica sentado?
- É difícil emagrecer, mas tão fácil recuperar! Entenda o porquê.
- Por que é tão fácil engordar? - Parte 1
- Tontura e desmaio após o exercício? Não é hipoglicemia!
- Dicar para não exagerar (muito) nas festas de fim de ano
- Homeopatia e efeito placebo
- Quando crer é poder: novas evidências do efeito placebo na Nutrição Esportiva!
- Emagrecimento com exercício? Esqueça a balança!
- Como melhorar o resultado do seu paciente ou aluno?
- Exercício e Nutrição na Obesidade Materna
- O “coach” e a cartomante
- Por que não devemos comentar sobre o peso (ou corpo) das pessoas, mesmo quando...
- Como a atividade física previne o câncer?
- Balcão da cozinha e obesidade – existe alguma relação?
- O que é microbiota?
- Exercício ou dieta? Qual o melhor para emagrecer?
- “Tratamento” medicamentoso para perda de peso.
- Futura mamãe, quer ter mais saúde durante a gravidez? Exercite-se!
- Videogames ativos e saúde infanto-juvenil
- Transtornos Alimentares - o que são e o que fazer?
- Perda rápida de peso nos esportes de combate
- 5 mitos sobre emagrecimento para esquecer de uma vez por todas
- Transtornos alimentares: O que o profissional de Educação Física tem a ver com isso?
- Perda de peso corporal e metabolismo: sobre o estudo do "the biggest loser"
- Por que eu não devo fazer compras no mercado com fome?
- Por que a perda rápida de peso deve ser banida dos esportes de luta?
- Exercício e depressão
- Como emagrecer e ganhar massa muscular ao mesmo tempo?
- Por que envelhecemos? Como podemos combater o envelhecimento?
- Tudo que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda!!!!!!!!!!!!
- Placebo “injetável” melhora o desempenho esportivo.
- Termogênicos para emagrecer?
- Exercício físico (aeróbio): um forte aliado luta contra o câncer.
- Água alcalina faz bem para a saúde?
- Fisicamente Ativo vs Sedentário
- Misturar bebida alcoólica faz mal?
- Hipoglicemia durante o exercício - isso é possível?
- Por que sentimos câimbras?
- Glutamina melhora o sistema imune?
- Água emagrece? Sim, não ou talvez?
- Estou seguro! Estou tomando esteroides com acompanhamento de um especialista!
- Mudando paradigmas no “tratamento” da obesidade.
- 9 motivos para não usar esteroides anabolizantes
- Efeitos adversos dos suplementos nutricionais
- Perda de peso no MMA: estamos esperando uma tragédia?
- Gordura corporal: diga-me onde estás que te direi quem és..
- Não, géis "emagrecedores" não derretem a gordura, tampouco ela "sai no xixi"!
- O que Darwin diria sobre a obesidade.
- Leite: qual a real causa da intolerância?
- Suplementos como proteínas e creatina prejudicam a função renal?
- Creatina pode causar câncer?
- Fez lipoaspiração? Tem que treinar!
- Drenagem linfática emagrece?
- Pós-Graduação em Nutrição Esportiva - INSCRIÇÕES ABERTAS!
- Parada técnica para hidratação no futebol: necessidade fisiológica ou cuidado em excesso?
- A mais nova droga “anti-obesidade” e os mesmos velhos dilemas...
- Fugindo do sedentarismo no ambiente de trabalho
- Comer antes de dormir, crime por assalto à geladeira ou estratégia nutricional consciente?
- Os (muitos) problemas do IMC!
- Perder peso ou emagrecer?
- As hipóteses, os fatos e as “picuinhas metabólicas” na Nutrição Esportiva...
- O exercício e a vitamina D previnem queda em idosos?
- Tempo ativo ou tempo sedentário: o que é mais importante para a saúde?
- “Exercício é remédio” para a osteoartrite!!
- Estudo sugere que o uso de suplementos anabólicos pode causar câncer.
- Sobre a busca do corpo perfeito...
- Então a alimentação (e não o exercício) é a chave para combater a obesidade? Calma, muito cuidado nessa hora!
- Feliz Páscoa!!
- Ingestão de bebidas alcóolicas inibe o emagrecimento?
- Exercício em jejum “revisitado”– associar treinos em jejum à dieta hipocalórica emagrece mais?
- Ciência inForma comenta o caso Anderson Silva
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 2)
- Projeto: "Saúde e Bem-Estar na Obesidade"
- Suplementos esportivos fazem mal à saúde?
- Lançamento do Livro: "A Dieta Ideal"
- Procedimentos estéticos como drenagem linfática, criolipólise e carboxiterapia emagrecem?
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 1)
- Boas Festas e Férias!!!
- O placebo na nutrição esportiva
- Ciência Informa Responde: Para onde vai a gordura?
- Lipoaspiração e seus efeitos adversos...
- Ciência Informa Responde: perda de peso em Spas
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe? – Parte 2
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe?
- Curso USP: Suplementação Esportiva
- Quer emagrecer? Desligue a TV!
- Perder Peso ou Emagrecer?
- Sejam Bem Vindos!!!



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo