Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

10 de outubro de 2017

Vida e Saúde

Os (muitos) problemas do IMC.

O IMC é um índice calculado pela seguinte equação: peso(kg)/altura(m2). Ele é muitíssimo usado tanto em pesquisas científicas como na prática clínica para determinar se uma pessoa tem peso corporal baixo (IMC<18,5), normal (IMC entre 18,5 e 25), sobrepeso (IMC entre 25 e 29) ou obesidade (IMC>30). Não raramente, o valor do IMC é usado por muitos para determinar o chamado “peso corporal ideal” ou “peso saudável”. Mas será que esta é uma medida acurada para este fim?


O IMC é um índice simples e de baixíssimo custo que se propõe a estimar o status de peso e gordural corporal de uma pessoa. Isso, pois, o peso corporal está geralmente associado à quantidade de gordura corporal de um indivíduo. Este status, diferentemente do que muitos imaginam, não deve ser encarado como um parâmetro estético, mas sim como um preditor do risco de desenvolvimento de doenças.



De fato, estudos populacionais indicam que pessoas com IMC < 18,5 kg/m2 apresentam maior risco de desenvolvimento de doenças infecciosas. Provavelmente, isso decorre do fato de que pessoas com muito baixo peso e, portanto, baixa quantidade de gordura corporal, estão mais predispostas ao desenvolvimento dessas doenças. Do outro lado do espectro, pessoas com IMC > 30 Kg/m2 apresentam maior risco de desenvolvimento das chamadas doenças crônicas, como o diabetes, doenças cardiovasculares, etc. Isso, pois, o excesso de peso e, portanto, de gordura corporal, está associado ao aumento do risco de desenvolvimento dessas doenças, pelo menos na população adulta.  



Contudo, embora o IMC seja ainda uma ótima ferramenta para estudos populacionais, ele deve ser utilizado com MUITA cautela na prática clínica. Vejam que eu disse anteriormente que o peso corporal está geralmente associado à quantidade de gordura corporal de um indivíduo. Geralmente.



Dentro os muitos problemas na utilização do IMC como um preditor do risco de desenvolvimento de doenças, há dois especialmente importantes:



1. Incapacidade de diferenciar massa gorda de massa magra



Percebam na foto “1” que dois sujeitos podem ter o mesmo IMC, mas quantidades muito diferentes de gordura corporal. Isso significa que o risco de desenvolvimento de doenças para estes dois sujeitos é totalmente diferente, apesar do mesmo elevado IMC. Logo, para uma pessoa que treina musculação todos os dias, o IMC não necessariamente reflete a quantidade de gordura corporal, mas sim, de massa muscular. Para ela, o IMC elevado provavelmente não implica em maior risco. 



1. Incapacidade de avaliar a distribuição de gordura corporal



Em post anterior, a Profa. Desire falou sobre as (grandes) diferenças metabólicas entre os depósitos de gordura que ficam na coxa e no quadril e os depósitos de gordura abdominal. Uma vez que a gordura abdominal, principalmente a gordura visceral (aquela que fica entre os órgãos), é mais metabolicamente ativa, ela está associada ao maior risco de desenvolvimento de doenças crônicas. Por outro lado, a gordura da coxa e dos quadris, por ser menos metabolicamente ativa, tem característica protetora contra essas doenças.  Observem a foto “2”. A mulher no “formato pera” apresenta baixo risco, pois sua gordura está predominantemente localizada na região gluteofemoral. Já aquela no “formato maçã”, apresenta risco substancialmente maior, pois sua gordura está predominantemente localizada na região abdominal. Logo, duas pessoas podem ter o mesmo IMC e até mesmo a mesma quantidade de gordura corporal, e apresentarem risco de desenvolvimento de doenças crônicas completamente diferentes. 



Assim, parece que mais importante que o IMC, é a avaliação da quantidade e, principalmente da distribuição da gordura corporal. Esta última pode ser feita de forma muito simples, utilizando uma simples fita métrica. Mas quais os parâmetros de referência? Falaremos sobre isso no próximo post!



Até a próxima!



Profa. Fabiana Benatti - Blog Ciência inForma



www.cienciainforma.com.br







Comentários

Veja também


- Os (muitos) problemas do IMC.
- Cirurgia Bariátrica: efeitos na massa muscular e óssea
- É possível emagrecer fazendo apenas exercício?
- “Se eu não tomar meu antibiótico até o fim, vou criar bactérias resistentes?”
- Constipação: muito além da fibra e água!
- Como funciona o efeito placebo? Parte 1
- Obesidade Juvenil - quantas horas por dia seu filho fica sentado?
- É difícil emagrecer, mas tão fácil recuperar! Entenda o porquê.
- Por que é tão fácil engordar? - Parte 1
- Tontura e desmaio após o exercício? Não é hipoglicemia!
- Dicar para não exagerar (muito) nas festas de fim de ano
- Homeopatia e efeito placebo
- Quando crer é poder: novas evidências do efeito placebo na Nutrição Esportiva!
- Emagrecimento com exercício? Esqueça a balança!
- Como melhorar o resultado do seu paciente ou aluno?
- Exercício e Nutrição na Obesidade Materna
- O “coach” e a cartomante
- Por que não devemos comentar sobre o peso (ou corpo) das pessoas, mesmo quando...
- Como a atividade física previne o câncer?
- Balcão da cozinha e obesidade – existe alguma relação?
- O que é microbiota?
- Exercício ou dieta? Qual o melhor para emagrecer?
- “Tratamento” medicamentoso para perda de peso.
- Futura mamãe, quer ter mais saúde durante a gravidez? Exercite-se!
- Videogames ativos e saúde infanto-juvenil
- Transtornos Alimentares - o que são e o que fazer?
- Perda rápida de peso nos esportes de combate
- 5 mitos sobre emagrecimento para esquecer de uma vez por todas
- Transtornos alimentares: O que o profissional de Educação Física tem a ver com isso?
- Perda de peso corporal e metabolismo: sobre o estudo do "the biggest loser"
- Por que eu não devo fazer compras no mercado com fome?
- Por que a perda rápida de peso deve ser banida dos esportes de luta?
- Exercício e depressão
- Como emagrecer e ganhar massa muscular ao mesmo tempo?
- Por que envelhecemos? Como podemos combater o envelhecimento?
- Tudo que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda!!!!!!!!!!!!
- Placebo “injetável” melhora o desempenho esportivo.
- Termogênicos para emagrecer?
- Exercício físico (aeróbio): um forte aliado luta contra o câncer.
- Água alcalina faz bem para a saúde?
- Fisicamente Ativo vs Sedentário
- Misturar bebida alcoólica faz mal?
- Hipoglicemia durante o exercício - isso é possível?
- Por que sentimos câimbras?
- Glutamina melhora o sistema imune?
- Água emagrece? Sim, não ou talvez?
- Estou seguro! Estou tomando esteroides com acompanhamento de um especialista!
- Mudando paradigmas no “tratamento” da obesidade.
- 9 motivos para não usar esteroides anabolizantes
- Efeitos adversos dos suplementos nutricionais
- Perda de peso no MMA: estamos esperando uma tragédia?
- Gordura corporal: diga-me onde estás que te direi quem és..
- Não, géis "emagrecedores" não derretem a gordura, tampouco ela "sai no xixi"!
- O que Darwin diria sobre a obesidade.
- Leite: qual a real causa da intolerância?
- Suplementos como proteínas e creatina prejudicam a função renal?
- Creatina pode causar câncer?
- Fez lipoaspiração? Tem que treinar!
- Drenagem linfática emagrece?
- Pós-Graduação em Nutrição Esportiva - INSCRIÇÕES ABERTAS!
- Parada técnica para hidratação no futebol: necessidade fisiológica ou cuidado em excesso?
- A mais nova droga “anti-obesidade” e os mesmos velhos dilemas...
- Fugindo do sedentarismo no ambiente de trabalho
- Comer antes de dormir, crime por assalto à geladeira ou estratégia nutricional consciente?
- Os (muitos) problemas do IMC!
- Perder peso ou emagrecer?
- As hipóteses, os fatos e as “picuinhas metabólicas” na Nutrição Esportiva...
- O exercício e a vitamina D previnem queda em idosos?
- Tempo ativo ou tempo sedentário: o que é mais importante para a saúde?
- “Exercício é remédio” para a osteoartrite!!
- Estudo sugere que o uso de suplementos anabólicos pode causar câncer.
- Sobre a busca do corpo perfeito...
- Então a alimentação (e não o exercício) é a chave para combater a obesidade? Calma, muito cuidado nessa hora!
- Feliz Páscoa!!
- Ingestão de bebidas alcóolicas inibe o emagrecimento?
- Exercício em jejum “revisitado”– associar treinos em jejum à dieta hipocalórica emagrece mais?
- Ciência inForma comenta o caso Anderson Silva
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 2)
- Projeto: "Saúde e Bem-Estar na Obesidade"
- Suplementos esportivos fazem mal à saúde?
- Lançamento do Livro: "A Dieta Ideal"
- Procedimentos estéticos como drenagem linfática, criolipólise e carboxiterapia emagrecem?
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 1)
- Boas Festas e Férias!!!
- O placebo na nutrição esportiva
- Ciência Informa Responde: Para onde vai a gordura?
- Lipoaspiração e seus efeitos adversos...
- Ciência Informa Responde: perda de peso em Spas
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe? – Parte 2
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe?
- Curso USP: Suplementação Esportiva
- Quer emagrecer? Desligue a TV!
- Perder Peso ou Emagrecer?
- Sejam Bem Vindos!!!



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo