Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

23 de marÇo de 2015

Exercícios

Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.

Muitas pessoas quando começam a se manter mais ativas logo desistem caso não observem resultados fascinantes como veem diariamente nas mídias sociais em fotos de ANTES e DEPOIS. Elas acham ou que os efeitos são sutis demais (e não valem a pena o esforço) ou que não respondem à ele. Esse pode ser um exemplo no qual “a pressa é inimiga da perfeição”.


Realizar um bom estudo sobre os efeitos crônicos da prática regular de atividade física (ou de um tipo de dieta) é extremamente oneroso, pois necessita de um grande número de pessoas envolvidas (entre cientistas e participantes), de muito investimento financeiro e de tempo. E é exatamente por isso que esse estudo finlandês chamado de FITFATTWIN (algo como “gêmeo magro gordo”) se destaca ao demonstrar os efeitos da atividade física regular em comparação ao sedentarismo.


Para esse estudo, eles selecionaram pares de gêmeos monozigóticos cujo padrão de atividade física tenha sido diferente apenas nos últimos 3 anos. Os participantes já faziam parte de outro grande estudo e, de tempos em tempos, eles são reavaliados. Na última bateria de testes foram selecionados 10 pares que preenchiam os critérios propostos, ou seja, um gêmeo era fisicamente ativo e o outro não. Foi considerado fisicamente ativo o gêmeo que realizava atividade física ao menos 2x por semana e sedentário aquele que se exercitava menos de 2x por mês. 


De modo geral, o gêmeo ativo apresentava menor quantidade de gordura nos membros inferiores e melhor sensibilidade à insulina. Apesar de esses resultados serem interessantes, já eram de certa forma esperados. Mas o resultado mais surpreendente foi que o gêmeo ativo apresentou maior conteúdo de matéria cinzenta cerebral no hemisfério não dominante (responsável pelo controle motor e coordenação) quando comparado ao seu irmão sedentário. Importante ressaltar que o padrão alimentar deles não era diferente e, tendo a mesma carga genética, esses efeitos são em grande parte resultado da regularidade na atividade física.


Claro que esse estudo possui suas limitações como o pequeno número de participantes. Contudo, esses resultados indicam que ao praticar atividade física regularmente, o gêmeo ativo possui menor risco de desenvolver doenças como diabetes e até mesmo maiores chances de envelhecer bem quando comparado ao seu irmão “idêntico”. 


Sendo assim, por mais que no curto prazo você não consiga obter resultados como gostaria, pode ter certeza que no longo prazo os benefícios serão muitos. Logo, persista sempre!


Até a próxima!



Desire Coelho – Blog Ciência Informa



www.cienciainforma.com.br 


Para saber mais:


Rottensteiner et al. Physical activity, fitness, glucose homeostasis, and brain morphology in twins. Med Sci Sports Exerc. 2015 Mar;47(3):509-18








Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo