Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

12 de dezembro de 2016

Exercícios

Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...

Ao se deparar com o título você deve estar confuso. Concordo! É preciso contextualização...então vamos lá!


Não é estranha para a maioria da nossa audiência a noção de que o exercício (em especial o exercício de força) causa microlesões na ultraestrutura muscular, correto?  Comumente nos referimos a este fenômeno como dano muscular induzido pelo exercício. Caracterizado por sintomas transitórios como dor muscular tardia (que perdura por alguns dias após a sessão de exercícios), diminuição de amplitude articular, diminuição de força entre outros, o dano muscular é uma consequência “natural” do exercício e deve ser diferenciado de uma lesão muscular incapacitante, que requer intervenção terapêutica, por exemplo. Provavelmente a maioria de vocês já provou dos seus efeitos quando iniciaram a prática de musculação ou quando voltaram a treinar após um período parado. Aquela dorzinha muscular na hora de sentar/levantar, ou de subir/descer um lance de escadas, sabe? É disso que estamos falando...

Se vocês já passaram por isso certamente também já perceberam que após algumas sessões de treinamento esses sintomas simplesmente deixam de se manifestar, não é mesmo? Isso se deve ao que chamamos de “efeito da carga repetida” ou “efeito protetor da carga”. A literatura reporta que ao ser exposto à um estímulo que causa dano muscular, o organismo se adapta, de forma que estímulos subsequentes induzam danos musculares cada vez menores ou até insignificantes.

O conceito acima é contraditório a um paradigma que perdurou por muito tempo (e ainda está impregnado em muitos profissionais da área), o qual assume que a hipertrofia muscular induzida pelo treinamento de força é dependente das tais microlesões induzidas pelo exercício. Parece claro que, ao entendermos o conceito de efeito protetor da carga, a lógica para o paradigma exposto fica, pelo menos, fragilizada. Sobre o assunto, por favor, recorra a este vídeo, no qual Gui e eu discutimos o assunto com base em resultados recentes produzidos aqui em casa, na USP.

Pois bem, juntando tudo que foi dito (e visto...ASSISTAM o vídeo!!!), voltemos à tara da minimização do dano muscular induzido pelo exercício. Me parece no mínimo estranho a quantidade de estudos dedicados ao possível papel de diferentes suplementos na “minimização” do tal dano muscular. HMB, BCAA, carboidratos, whey e combinações das mais variadas têm sido estudados quase sempre com o mesmo viés: efeito do suplemento x no dano muscular após uma sessão aguda de exercícios de força em indivíduos não treinados... Ora, mais uma vez, se sabemos que o tal efeito protetor da carga existe e que o dano será minimizado nas próximas sessões, qual a vantagem de se suplementar alguém com vistas meramente à minimização do dano na PRIMEIRA sessão de treino? Será que isso realmente se justifica sobre o ponto de vista da prática clínica? Já imaginou o primeiro dia de uma senhora idosa na academia:

- Muito bem, Dona Mércia (não sei por que Mércia...não amolem), tá aqui o seu BCAA e a sua ficha de treino...

Surreal, não? Primeiro porque teríamos que assumir que o BCCA (ou qualquer outro suplemento) tem, realmente, um papel “protetor” contra o dano induzido pelo exercício, o que não é verdade; segundo, porque caso fosse verdade, isso teria que conferir alguma vantagem “real” para a Dona Mércia. Para quem quiser argumentar que diminuir a dor tardia após a primeira sessão possa ser desejável para o engajamento de um indivíduo a um programa de exercícios, eu o convido a pensar na adequação do estímulo à capacidade do participante, considerando a progressão gradual do volume e intensidades do treino (uma vez que estes podem ser determinantes para o grau de dano, particularmente em indivíduos não treinados).

A ideia deste post não é a de discutir os possíveis mecanismos propostos pelos que se debruçam sobre o tema, tampouco os detalhes dos estudos que existem na literatura, mas a de fazê-los refletir sobre a necessidade de se colocar qualquer estratégia nutricional em perspectiva. Por vezes a ciência traz dados (embora não seja exatamente este o caso) que a princípio parecem super aplicados, tornando-os tentadores aos olhos do profissional, mas que quando colocados sob a lupa de um melhor julgamento, com vistas à contextualização clínica, se tornam absolutamente irrelevantes. Assim, talvez a mensagem final do post seja: pratiquem o senso crítico de vocês.

Até a próxima,



Prof. Dr. Hamilton Roschel - Blog Ciência InForma



Para saber mais:

Resistance training-induced changes in integrated myofibrillar protein synthesis are related to hypertrophy only after attenuation of muscle damage. Damas F, Phillips SM, Libardi CA, Vechin FC, Lixandrão ME, Jannig PR, Costa LA, Bacurau AV, Snijders T, Parise G, Tricoli V, Roschel H, Ugrinowitsch C. J Physiol. 2016 Sep 15;594(18):5209-22. Susceptibility to Exercise-Induced Muscle Damage: a Cluster Analysis with a Large Sample. Damas F, Nosaka K, Libardi CA, Chen TC, Ugrinowitsch C. Int J Sports Med. 2016 Jul;37(8):633-40.

Post-exercise branched chain amino acid supplementation does not affect recovery markers following three consecutive high intensity resistance training bouts compared to carbohydrate supplementation Wesley C. Kephart , Petey W. Mumford, Anna E. McCloskey, A. Maleah Holland, Joshua J. Shake, C. Brooks Mobley, Adam E. Jagodinsky, Wendi H. Weimar, Gretchen D. Oliver, Kaelin C. Young, Jordan R. Moon, Michael D. Roberts. Journal of the International Society of Sports Nutrition (2016) 13:30 (Epub ahead of print).

Effects of combined β-hydroxy-β- methylbutyrate (HMB) and whey protein ingestion on symptoms of eccentric exercise-induced muscle damage Minayuki Shirato, Yosuke Tsuchiya, Teruyuki Sato, Saki Hamano, Takeshi Gushiken, Naoto Kimura, Eisuke Ochi. Journal of the International Society of Sports Nutrition (2016) 13:7 (Epub ahead of print).







Comentários

Veja também


- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo