Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

09 de janeiro de 2015

Exercícios

Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?

É provável que você já deva ter se perguntado por que aquele colega de academia muda tanto os exercícios de musculação para um mesmo grupo muscular. O assunto de hoje é a importância (ou não) de se variar os exercícios durante um programa de treinamento de força. Quer saber mais? Leia o post a seguir...


Esta é uma pergunta recorrente não apenas entre os praticantes, mas também entre os profissionais envolvidos com o treino de força, particularmente com o treino de musculação.


A eficácia desta modalidade de exercícios no aumento de força/função e massa muscular é amplamente conhecida. Desde atletas, passando por crianças, idosos e indivíduos portadores de doenças, a ciência é rica em bons exemplos sobre o benefício do treino de força. Restam, contudo, importantes dúvidas sobre a melhor forma de organizar os programas de treinamento. 


Sabemos, por exemplo, que aumento do volume (uma medida da quantidade de treinamento executado, como o número de exercícios realizados) e intensidade (uma medida do grau de esforço, como a quantidade de kg em um determinado exercício) são variáveis especialmente importantes, em particular para indivíduos mais bem treinados. Por outro lado, apesar de haver recomendações que apregoem a mudança dos exercícios realizados ao longo do programa de exercícios, muito pouco se sabe sobre os efeitos desta estratégia ao final de um período mais prolongado de treinamento. Com isto em mente, um estudo do nosso grupo verificou os efeitos de diferentes combinações de intensidade e de exercícios sobre a força e massa muscular de indivíduos jovens fisicamente ativos. 


As diferentes rotinas de treino propostas eram compostas por: a) sempre o mesmo exercício e sempre a mesma intensidade; b) sempre o mesmo exercício e mudanças na intensidade; c) mudanças no exercício e sempre a mesma intensidade; d) mudanças no exercício e mudanças na intensidade. Ao final de 12 semanas de treinamento, observou-se que os grupos que variaram os exercícios (mantendo ou não a intensidade) conseguiram aumentar todas as quatro porções do músculo quadríceps da coxa (composto pelo reto femoral, vasto lateral, vasto medial e vasto intermédio), enquanto os dois grupos que mantiveram o mesmo exercício durante todo o treinamento, não aumentaram a massa muscular do reto femoral e vasto medial. Adicionalmente, a variação nos exercícios implicou em maiores ganhos relativos de força, sugerindo que a variação dos estímulos parece, sim, otimizar os ganhos de força e massa muscular.


Além de melhores resultados, a mudança nos exercícios pode implicar em maior motivação para o praticante, já que, para muitos, a rotina de exercícios de musculação pode ser maçante. É importante notarmos que os modelos de treino testados que não previam mudanças no exercício também foram efetivos em aumentar a força e quantidade de músculos; portanto, se o local onde você pratica musculação não oferece muitas possibilidades de variação, não se preocupe! os efeitos benéficos do treinamento de força continuam garantidos!!!



Bons treinos.



Prof. Dr. Hamilton Roschel - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br



Sugestão de leitura:


Fonseca RM, Roschel H, Tricoli V, de Souza EO, Wilson JM, Laurentino GC, Aihara AY, de Souza Leão AR, Ugrinowitsch C.Changes in exercises are more effective than in loading schemes to improve muscle strength.J Strength Cond Res. 2014 Nov;28(11):3085-92.







Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo