Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

06 de outubro de 2014

Exercícios

Quando chega a "conta" do sedentarismo?

Que o estilo de vida sedentário provoca inúmeros prejuízos à saúde, reduz a qualidade de vida e predispõe à mortalidade não é grande novidade para mais ninguém. Mas quanto tempo seria necessário para que os efeitos indesejáveis do sedentarismo passassem a se manifestar? Algum palpite? Décadas, anos, meses? Acreditem: dias


Em pouquíssimos dias, a redução dos níveis de atividade física resulta em efeitos adversos orgânicos. É o que mostram alguns estudos recentes (veja este, por exemplo), que empregam uma intervenção pouco usual:  a drástica redução do número de passos (medido por um simples dispositivo chamado de "pedômetro"), como forma de induzir um estilo de vida sedentário e testar seus efeitos sobre a saúde. Os participantes dessas pesquisas, geralmente fisicamente ativos, são orientados a evitar qualquer tipo de atividade física ao longo do estudo. Esportes, caminhadas e uso de escadas, por exemplo, são desencorajados. 


Como resultado dessa mudança radical no estilo de vida, os participantes passam a apresentar, num período de duas semanas (!), resistência à insulina, aumento de gordura abdominal, redução de capacidade física e perda de massa muscular. Tais distúrbios, cronicamente, evoluem para quadros mais graves, como diabetes do tipo 2, hipertensão e sarcopenia (perda de função e massa muscular em idosos) e, eventualmente, reduzem a qualidade e a expectativa de vida. 


A mensagem central que esses estudos nos deixam é clara: a "conta" do sedentarismo chega muito mais cedo do que imaginávamos e, por vezes, o preço a ser pago é muito alto. Se você caminha menos de 5.000 passos por dia (hoje diversos relógios e até telefones celulares são capazes de realizar essa medida), é hora de repensar suas prioridades e incluir atividade física em sua rotina. Em breve, postarei dicas que podem facilitar um estilo de vida mais ativo, com mudanças simples de hábito. Que tal começarmos desligando um pouquinho o computador?   


Bruno Gualano




Para conhecer mais sobre o tema, leia:


Olsen RH, Krogh-Madsen R, Thomsen C, Booth FW, Pedersen BK.Metabolic responses to reduced daily steps in healthy nonexercising men. JAMA. 2008 Mar 19;299(11):1261-3. 



Breen L, Stokes KA, Churchward-Venne TA, Moore DR, Baker SK, Smith K, Atherton PJ, Phillips SM. Two weeks of reduced activity decreases leg lean mass and induces "anabolic resistance" of myofibrillar protein synthesis in healthy elderly. J Clin Endocrinol Metab. 2013 Jun;98(6):2604-12. 


Krogh-Madsen R, Thyfault JP, Broholm C, Mortensen OH, Olsen RH, Mounier R, Plomgaard P, van Hall G, Booth FW, Pedersen BK. A 2-wk reduction of ambulatory activity attenuates peripheral insulin sensitivity. J Appl Physiol (1985). 2010 May;108(5):1034-40.







Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo