Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

28 de janeiro de 2015

Exercícios

Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível

Em tempos de popularização massiva de tablets e video games aliada à crescente insegurança nas ruas das grandes cidades, é cada vez mais visível a diminuição dos níveis de atividade física praticados pelas crianças. As consequências da inatividade física são múltiplas, e muitas já foram aqui discutidas. Hoje discutiremos sobre uma forma alternativa de se promover a prática de atividade física em crianças.


Dizer que a incidência de obesidade infantil tem aumentado de maneira expressiva em todo o mundo não soa como grande novidade para a maioria dos nossos leitores. O mesmo vale para a afirmação de que a inatividade física e hábitos alimentares inadequados são os fatores que encabeçam a lista de agentes predisponentes para este aumento, deixando uma mensagem implícita sobre a necessidade de mudanças nos hábitos de vida dos pequenos.


Especificamente sobre os exercícios, é bem sabido que a recomendação de prática para melhora da composição corporal, capacidade física e melhora em parâmetros relacionados à saúde (como a pressão arterial, perfil lipídico, resistência à insulina etc) gira, tradicionalmente, ao redor de atividades de intensidade baixa à moderada e com duração acima de 30 minutos. Entretanto, esta recomendação é incompatível com o padrão de atividade física espontânea exibido por crianças, que tendem a preferir atividades intermitentes e de mais curta duração. Isto pode ser explicado tanto por fatores fisiológicos (já que as crianças têm uma percepção de esforço aumentada quando em atividade prolongada) quanto psicológicos e culturais. Basta observarmos as brincadeiras infantis. Estas, quase que invariavelmente, apresentam um padrão de movimentação de curta duração intercalados por períodos de descanso (pega-pega, amarelinha, queimada e tantas outras).


Desta forma, a discussão de hoje é sobre uma maneira alternativa de promover o aumento do nível de atividade física em crianças. Recentemente, o nosso grupo se dedicou a comparar o efeito de dois programas bastante distintos de exercício em uma população infantil com obesidade. A intervenção durou 12 semanas e, enquanto um grupo se exercitou de maneira contínua em esteira por 30-60 minutos em uma intensidade moderada, o outro realizou de 3-6 séries de 1 minuto em alta intensidade intercalados por 3 minutos de intervalo. Ao final do estudo, as duas estratégias de exercício se mostraram igualmente efetivas, já que ambos os grupos apresentaram melhoras comparáveis na capacidade física, resistência à insulina e índice de massa corpórea. 


Estes resultados apontam numa direção interessante, já que parece ser possível induzir mudanças importantes na saúde de crianças a partir de modelos de atividade física menos maçantes e mais “palatáveis” para as crianças. É claro que a sugestão não é a de incluirmos rotinas de treinamento intervalado na esteira para os pequeninos - o que seria igualmente maçante; o ponto de destaque é a abstração de que é possível desenvolvermos atividades lúdicas que mimetizem o modelo testado (como jogos infantis, modalidades esportivas adaptadas (ou não), vídeo games interativos – que são, de fato uma estratégia interessante e efetiva, entre outros) para que crianças possam desfrutar dos mesmos benefícios dos modelos de exercício tradicionalmente preconizados.


Prof. Dr. Hamilton Roschel - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br


Para saber mais: Similar health benefits of endurance and high-intensity interval training in obese children.


Corte de Araujo AC, Roschel H, Picanço AR, do Prado DM, Villares SM, de Sá Pinto AL, Gualano B. PLoS One. 2012;7(8):e42747







Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo