Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

10 de fevereiro de 2015

Exercícios

CrossFit: os riscos compensam os benefícios?

O CrossFit é a nova febre das academias. Trata-se de um treinamento de tipo militar realizado normalmente em circuito, que mescla exercícios de força e de resistência aeróbia, geralmente em alto volume e até a fadiga. Os potenciais benefícios incluem ganhos de força, massa muscular, resistência aeróbia, equilíbrio e propriocepção. A desvantagem: um número altíssimo de lesões.



O CrossFit é um modelo de treinamento que tem se tornado cada vez mais popular. Esse programa combina exercícios de força e de resistência aeróbia de alta complexidade, e que são realizados normalmente na forma de circuito. Tal modalidade assemelha-se bastante ao treinamento militar, particularmente no que se refere ao alto volume de exercícios e à capacidade de levar ao cansaço extremo. O segredo do sucesso do CrossFit deve-se aos bons resultados físicos alcançados por seus praticantes. De fato, trata-se de um treinamento capaz de aumentar, ao mesmo tempo, força, condicionamento aeróbio e flexibilidade. Além disso, as aulas são bastante motivadoras, estimulando os alunos a darem o máximo de si durante o treino. 


Apesar de todos esses benefícios, como já havia postado anteriormente, não há um tipo de treinamento ideal. A prescrição de exercício deve ser individualizada, respeitando as preferências do praticante, bem como suas limitações físicas. A este propósito, parece claro que um treinamento de estilo militar possa não ser o mais adequado para indivíduos pouco condicionados ou com problemas físicos anteriores. 


Existem poucos levantamentos científicos sobre os riscos da prática de CrossFit. Um deles, realizado no Reino Unido, aplicou um questionário a 132 praticantes dessa modalidade de treinamento, com o intuito de avaliar a incidência de lesões. Aproximadamente 3/4 dos entrevistados (n = 97) reportou algum tipo de lesão, sendo a coluna e os ombros os locais mais frequentemente afetados. Nove praticantes relataram a necessidade de cirurgia após a lesão.  Os autores afirmam que a frequência de lesões encontrada nessa pesquisa se assemelha a de modalidades esportivas, como levantamento olímpico e ginástica. A causa de tantos casos de lesão no CrossFit deve-se, provavelmente, à execução de exercícios de alta complexidade realizados até a fadiga, ocasião na qual o controle motor é prejudicado, predispondo a lesões musculares e articulares. 


Dessa forma, ainda que o CrossFit possa ser considerado uma modalidade de treinamento efetiva em melhorar o condicionamento físico e a saúde em geral de praticantes jovens e saudáveis, certamente existem modalidades mais seguras para obesos, idosos, crianças, gestantes e pessoas com problemas físicos pré-existentes.

Os benefícios e riscos inerentes ao CrossFit, como com qualquer modalidade de treinamento, devem ser considerados pelo profissional de Educação Física antes da prescrição. Lembrem-se sempre que o conceito de treinamento ideal não existe. Até a próxima!


Bruno Gualano - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br




Para conhecer mais sobre o tema, leia: 


Hak PTHodzovic EHickey B.J Strength Cond Res.  The nature and prevalence of injury during CrossFit training. 2013 Nov 22. [Epub ahead of print]








Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo