Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

25 de marÇo de 2015

Exercícios

Quem faz musculação fica baixinho?

O treinamento de força para crianças é envolto de mitos e preconceitos. É muito comum que profissionais da saúde proíbam atividades de força para crianças e adolescentes, para evitar prejuízos no crescimento. Afinal, quem faz musculação fica baixinho?


Pais e profissionais de saúde, geralmente, não enxergam com bons olhos a prática de exercícios de força por crianças e adolescentes. De fato, muitas academias até restringem a matrícula na musculação a uma idade mínima, que varia de 14 a 18 anos. A preocupação principal é que exercícios de força possam afetar o crescimento. O que diz a ciência sobre isso?


Estudos transversais (aqueles que fornecem um “retrato” de determinado tema) indicam que crianças e adolescentes engajadas em atividades de força ou potência, como ginástica ou musculação, tendem a serem mais baixas do que aquelas que praticam outras modalidades, tais como basquete. Isso significa que o treinamento de força prejudica ou o basquete melhora o crescimento? Nem um, nem outro. Estudos longitudinais, que acompanham crianças e adolescentes ao longo dos anos, sugerem que nem a prática de modalidades de força ou potência, nem a prática de basquete alteram o crescimento. Como explicar, então, o fato de que ginastas são notadamente mais baixos do que jogadores de basquetebol. Simples, trata-se de um processo de “seleção natural”. Ninguém em sã consciência imaginaria que a Daiane dos Santos pudesse lograr êxito como pivô da seleção brasileira de basquete juvenil, tampouco que o Oscar Shmidt, em sua adolescência, pudesse alcançar resultados expressivos numa prova de argolas, por exemplo. Assim, o sucesso e o fracasso esportivo acabam por guiar crianças e adolescentes com determinadas características físicas (ex.: alto, baixo) a uma modalidade ou outra. Não há nenhuma evidência, portanto, que a prática de musculação prejudique o crescimento.  


Isso não significa dizer que alguns cuidados especiais não precisem ser tomados. Em primeiro lugar, é importante reconhecer que crianças e adolescentes estão em fase de crescimento, de modo que a carga de treinamento e a execução dos exercícios precisam ser devidamente ajustadas, de modo a não lesionar o disco epifisário, responsável pelo crescimento longitudinal dos ossos. A literatura científica demonstra que lesões de discos epifisários ocasionados por mau planejamento de treinamento afetam o crescimento da peça óssea. Isso não significa, necessariamente, que a criança ficará baixinha, porém poderá haver assimetria de membros, o que é um tanto pior. Em segundo lugar, crianças e, em especial, adolescentes tendem a buscar resultados rápidos quando iniciam um programa de musculação. Ocorre que antes da puberdade, período maturacional em que não há um ambiente hormonal favorável à hipertrofia, o treinamento de força promove ganhos de força, principalmente, através de adaptações chamadas de neurais (coordenação, por exemplo), e menos por ganhos de massa muscular. Na pressa de conseguir os músculos desejados, é cada vez mais comum que adolescentes recorram a substâncias ilícitas, como esteroides anabolizantes, para alcançar seus objetivos. Além de todos os malefícios provocados por essas drogas à saúde geral do indivíduo, há evidências de que algumas delas também provoquem, precocemente, o “fechamento” dos discos epifisários, afetando, dessa maneira, o crescimento.


Podemos dizer, portanto, que atividades de força e potência não prejudicam o crescimento quando realizadas sob orientação de um profissional qualificado, certificado para lidar com crianças e adolescentes. No entanto, lembrem-se sempre que o processo de crescimento é um período vulnerável, no qual estímulos indevidos, como, por exemplo, treinamento excessivo e uso de esteroides anabolizantes, podem trazer consequências negativas irreversíveis ao organismo, como redução de crescimento.



Até a próxima!  


Bruno Gualano - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br


Para conhecer mais sobre o tema, leia: 


Pediatric resistance training: benefits, concerns, and program design considerations. Faigenbaum AD, Myer GD. Curr Sports Med Rep. 2010 May-Jun;9(3):161-8. doi: 10.1249/JSR.0b013e3181de1214.


Growth and maturation of adolescent female gymnasts, swimmers, and tennis players.


Erlandson MC, Sherar LB, Mirwald RL, Maffulli N, Baxter-Jones AD. Med Sci Sports Exerc. 2008 Jan;40(1):34-42


Androgen Therapy in an "excessively" tall boy. Ruvalcaba RH, Tattoni DS, Kelley VC. Am J Dis Child. 1975 Jan;129(1):95-7.








Comentários

Veja também


- Lactato, o vilão que se tornou um possível aliado do desempenho?
- Bioimpedância é um bom método para avaliar composicão corporal?
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Crossfit aumenta o risco de lesão?
- Tem alguma doença reumática? Então faça exercício físico!
- Esporte não é “saúde”...mas será que é “doença”?
- Como o exercício físico previne câncer de mama?
- Sobre a tara em se reduzir o dano muscular induzido pelo exercício...
- HIIT QUEIMA MAIS GORDURA DO QUE EXERCÍCIOS AERÓBIOS... OU NÃO!
- Exercícios aeróbios não matam, não engordam, e não causam diabetes
- Dano muscular e hipertrofia: será o fim do "no pain, no gain"?
- Quer dizer que a atividade física não funciona para reduzir o peso corporal? Hora de colocar alguns pingos nos “is”...
- O mito das dietas low-carb e o papel da insulina no emagrecimento
- A atividade física ideal!
- “Disseram que eu não posso fazer atividade física...”
- Quando devo aumentar a carga de treinamento?
- Esclarecimentos sobre “exercício aeróbio engorda” e “exercício aeróbio não emagrece”.
- Treinar em jejum: bom, ruim ou depende?
- Por que entramos em fadiga?
- Quanto maior a carga, maior o ganho de massa muscular...certo?! Ou não?
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade, parte 2.
- HIIT - Treino Intervalado de Alta Intensidade
- Lactato: de causador da fadiga a aliado do desempenho.
- Queimar gordura somente após 20 minutos de aeróbio?
- Overtraining: O que, de fato, é isso?
- Percentual ou distribuição de gordura corporal: qual o melhor preditor de risco cardiovascular?
- Resposta hormonal ao exercício de força e aumento de massa muscular: Qual a relação entre eles?
- Cortar peso é prejudicial ao lutador?
- Treinamento de força com oclusão vascular: O que é e para quem serve?
- Quem faz musculação fica baixinho?
- Quando um gêmeo se exercita e o outro … não.
- Testes de DNA para detecção de talentos no esporte: cedo demais para ser verdade?
- 2 mitos sobre o uso “seguro” de esteroides anabolizantes
- CrossFit: os riscos compensam os benefícios?
- Treinamento intervalado para crianças: uma alternativa possível
- Ciência InForma responde: É importante variar os exercícios no treino de musculação?
- “Eu até tento, mas não “respondo” ao exercício...”
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 3)
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 2)
- O fisiculturismo como um estilo de vida saudável?
- Exercício em jejum: Fazer ou não fazer, eis a questão (Parte 1)
- Quando chega a "conta" do sedentarismo?
- Exercício sem dieta emagrece?
- Treinamento de força para todos
- Lactato: amigo ou vilão do desempenho?
- Sobre o milagre das pílulas do exercício



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo