Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

20 de setembro de 2015

Vida e Saúde

O que Darwin diria sobre a obesidade.

A teoria da evolução sugere que a seleção natural favorece indivíduos que exibem características orgânicas que levam ao aumento da sobrevivência ou fecundidade. Já se perguntaram, portanto, por que cada vez mais as pessoas têm se tornado obesas, se a obesidade predispõe a uma série de doenças crônicas, redução de fecundidade, prejuízos à saúde e mortalidade? Neste post, abordaremos duas explicações evolutivas para esse aparente paradoxo, que nos fazem refletir sobre a origem histórica da obesidade, um dos maiores desafios de saúde pública em todo o mundo.


No início dos anos 70, o pesquisador Theodosius Dobzhansky escreveu um influente artigo intitulado “Nada na biologia faz sentido exceto à luz da evolução”, enfatizando a impressionante capacidade explicativa da teoria da evolução para quaisquer fenômenos biológicos. Em linhas gerais, a teoria da evolução sugere que a seleção natural favorece indivíduos cujas características orgânicas garantam níveis de sobrevivência e fecundidade superiores. Tendo em vista a crescente prevalência de indivíduos obesos na sociedade moderna, teria sido a obesidade uma característica de exceção que “escapou” da pressão da evolução? Evidentemente, a resposta é não. Há algumas teorias que tentam explicar a origem da obesidade sob o ponto de vista evolucionista. Neste post, abordarei duas delas. O texto é um pouquinho mais longo do que o habitual, mas prefiro assim para não correr o risco de omitir informações importantes. 



A visão adaptativa da obesidade 



Essa perspectiva sobre a origem da obesidade foi concebida por James Neel em 1962 (originalmente pensada para o diabetes), ganhou diversas repaginações ao longo dos anos e, atualmente, é a mais divulgada e conhecida no mundo acadêmico (eu mesmo escrevi um artigo sobre o tema há alguns anos atrás, com enfoque na atividade física). Essa teoria, conhecida como dos genes poupadores (do inglês thrifty genes), defende que a obesidade é uma adaptação ao ambiente no qual nossos antepassados hominídeos viveram. De acordo com os defensores dessa teoria, o acúmulo de gordura corporal foi uma vantagem aos nossos ancestrais, protegendo-os de períodos de crise de alimentos e, assim, exercendo pressão positiva para a confecção de um genoma poupador. Em outras palavras, indivíduos com maior capacidade de armazenamento de gordura teriam maiores chances de sobrevivência e fecundidade em face da escassez de alimentos, resultante, por exemplo, de uma caça malsucedida ou uma catástrofe natural que afetasse as plantações. Embora bastante conhecida, a teoria dos genes poupadores apresenta falhas consideráveis que põe em xeque sua viabilidade. A principal delas se refere a uma constatação bastante óbvia: fosse a gordura corporal um fator de forte pressão seletiva sobre nossos ancestrais – como reza a teoria –, poderíamos imaginar que todos os seres humanos modernos seriam obesos!  Na verdade, cerca de 30 – 35% da população mundial não é obesa. E quem aqui não conhece aquele indivíduo que só come junk food, detesta atividade física e, ainda assim, para desespero dos mais invejosos, continua magrinho?! São observações como essas que mostram que o ser humano ainda resiste ao ambiente obesogênico (baixa atividade física, alto consumo energético). Esse padrão inconstante e variável de obesidade visto na espécie humana difere daquele observado em outras espécies animais, como as aves migratórias. Valendo ainda desse exemplo, sabemos que absolutamente todas as aves migratórias acumulam quantidades elevadíssimas de gordura antes de voos intercontinentais, e a razão para isso é bastante clara: aqueles indivíduos incapazes de acumular gordura simplesmente não teriam energia suficiente para atingirem seu destino e, simplesmente, morreriam durante a jornada. Nesse caso, a seleção é intensa a ponto de extinguir os genes responsáveis pelo acúmulo insuficiente de gordura, tornando todos os indivíduos da espécie “obesos”.  Claramente, não foi o que ocorreu com o homo sapiens, sugerindo que a gordura corporal provavelmente não exerceu ação seletiva tão importante a ponto de produzir um genoma poupador.   



A visão não adaptativa da obesidade  



A perspectiva não adaptativa da obesidade, sistematizada por John Speakman ao longo da última década, leva em conta que nem todos os processos evolutivos sofrem influência exclusiva da seleção natural. De fato, as mutações e os genes aleatórios (do inglês drifty genes) também contribuiriam para a evolução, e poderiam explicar a origem obesidade. Nesse sentido, Speakman propõe um modelo para explicar o controle da gordura corporal, segundo o qual a adiposidade variaria sem grande influência do ambiente entre dois pontos de fortíssima pressão fisiológica. No entanto, caso a gordura corporal ultrapassasse o limite inferior, mecanismos fisiológicos operariam fortemente para recuperar a massa corporal, de modo a evitar morte secundária à inanição; se, por outro lado, a gordura corporal ultrapassasse o limite superior, eventos fisiológicos atuariam de modo a oxidar gordura e retomar a massa corporal, evitando, assim, riscos de predação por consequência de uma menor mobilidade. Esse foi o ambiente no qual nossos antepassados mais longínquos viveram, há cerca de 6 a 2 milhões de anos. Com a evolução do comportamento social, contudo, há 2 milhões de anos atrás, vários indivíduos passaram a viver em conjunto, protegendo-se de ataques de predadores. Além disso, a descoberta do fogo e das armas permitiu aos nossos ancestrais maior sucesso no confronto contra predadores. Nesse cenário, mesmo indivíduos mais pesados e menos ágeis poderiam se livrar da predação desde que municiados de armas adequadas. Dessa forma, a importância da regulação do limite superior da adiposidade/massa  corporal perdeu significância evolutiva. Como não havia pressão seletiva, os genes que regiam tal controle foram sujeitos a mutações e aleatorizações (random drift) heterogêneas, com potencial de predisposição variável ao acúmulo excessivo de gordura. Isso explicaria porque alguns indivíduos são propensos à obesidade enquanto outros parecem ser imunes a ela, mesmo vivendo sobre o mesmo ambiente obesogênico. 



Resumo da ópera e a minha visão



Quando traçamos cenários históricos a fim de estabelecermos causas evolutivas para fenômenos biológicos, como a obesidade, somos obrigados a considerar questões genéticas, ecológicas, clínicas, demográficas, antropológicas, comportamentais, etc. Nem sempre temos como assegurar que todos as inferências assumidas são, de fato, inteiramente acuradas. Especificamente em relação à origem evolutiva da obesidade, é impossível ficar “em cima do muro”, pois as visões discutidas neste post partem de premissas fundamentalmente antagônicas e, portanto, são incompatíveis. Por exemplo, não é possível assumir que um gene associado à obesidade foi “produzido” por aleatorização genética (visão não adaptativa) e, ao mesmo tempo, sofreu pressão seletiva (visão adaptativa). Embora não haja um consenso acerca da origem evolutiva da obesidade, diante de tudo que foi discutido, hoje em dia tendo a crer que essa condição é um resultado não-adaptativo da evolução, em contrapartida à proposição de que uma pressão seletiva gerou uma espécie humana com genoma poupador (lembrando que já defendi o contrário num outro momento; ver referência na lista abaixo). E vocês, o que acham? E viva Darwin! 



Até a próxima!  



Bruno Gualano - Blog Ciência inForma



www.cienciainforma.com.br



 



Para conhecer mais sobre o tema, leia: 



Neel JV. 1962. Diabetes mellitus: a “thrifty” genotype rendered detrimental by “progress”? Am. J. Hum. Genet. 14:352–53.



Speakman JR. 2013. Evolutionary Perspectives on the Obesity Epidemic: Adaptive, Maladaptive, and Neutral Viewpoints. Annu. Rev. Nutr. 33:289–317. 



Gualano, B; Tinucci T. 2011. Sedentarismo, exercício físico e doenças crônicas. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte (Impresso), 25: 37-43.







Comentários

Veja também


- Os (muitos) problemas do IMC.
- Cirurgia Bariátrica: efeitos na massa muscular e óssea
- É possível emagrecer fazendo apenas exercício?
- “Se eu não tomar meu antibiótico até o fim, vou criar bactérias resistentes?”
- Constipação: muito além da fibra e água!
- Como funciona o efeito placebo? Parte 1
- Obesidade Juvenil - quantas horas por dia seu filho fica sentado?
- É difícil emagrecer, mas tão fácil recuperar! Entenda o porquê.
- Por que é tão fácil engordar? - Parte 1
- Tontura e desmaio após o exercício? Não é hipoglicemia!
- Dicar para não exagerar (muito) nas festas de fim de ano
- Homeopatia e efeito placebo
- Quando crer é poder: novas evidências do efeito placebo na Nutrição Esportiva!
- Emagrecimento com exercício? Esqueça a balança!
- Como melhorar o resultado do seu paciente ou aluno?
- Exercício e Nutrição na Obesidade Materna
- O “coach” e a cartomante
- Por que não devemos comentar sobre o peso (ou corpo) das pessoas, mesmo quando...
- Como a atividade física previne o câncer?
- Balcão da cozinha e obesidade – existe alguma relação?
- O que é microbiota?
- Exercício ou dieta? Qual o melhor para emagrecer?
- “Tratamento” medicamentoso para perda de peso.
- Futura mamãe, quer ter mais saúde durante a gravidez? Exercite-se!
- Videogames ativos e saúde infanto-juvenil
- Transtornos Alimentares - o que são e o que fazer?
- Perda rápida de peso nos esportes de combate
- 5 mitos sobre emagrecimento para esquecer de uma vez por todas
- Transtornos alimentares: O que o profissional de Educação Física tem a ver com isso?
- Perda de peso corporal e metabolismo: sobre o estudo do "the biggest loser"
- Por que eu não devo fazer compras no mercado com fome?
- Por que a perda rápida de peso deve ser banida dos esportes de luta?
- Exercício e depressão
- Como emagrecer e ganhar massa muscular ao mesmo tempo?
- Por que envelhecemos? Como podemos combater o envelhecimento?
- Tudo que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda!!!!!!!!!!!!
- Placebo “injetável” melhora o desempenho esportivo.
- Termogênicos para emagrecer?
- Exercício físico (aeróbio): um forte aliado luta contra o câncer.
- Água alcalina faz bem para a saúde?
- Fisicamente Ativo vs Sedentário
- Misturar bebida alcoólica faz mal?
- Hipoglicemia durante o exercício - isso é possível?
- Por que sentimos câimbras?
- Glutamina melhora o sistema imune?
- Água emagrece? Sim, não ou talvez?
- Estou seguro! Estou tomando esteroides com acompanhamento de um especialista!
- Mudando paradigmas no “tratamento” da obesidade.
- 9 motivos para não usar esteroides anabolizantes
- Efeitos adversos dos suplementos nutricionais
- Perda de peso no MMA: estamos esperando uma tragédia?
- Gordura corporal: diga-me onde estás que te direi quem és..
- Não, géis "emagrecedores" não derretem a gordura, tampouco ela "sai no xixi"!
- O que Darwin diria sobre a obesidade.
- Leite: qual a real causa da intolerância?
- Suplementos como proteínas e creatina prejudicam a função renal?
- Creatina pode causar câncer?
- Fez lipoaspiração? Tem que treinar!
- Drenagem linfática emagrece?
- Pós-Graduação em Nutrição Esportiva - INSCRIÇÕES ABERTAS!
- Parada técnica para hidratação no futebol: necessidade fisiológica ou cuidado em excesso?
- A mais nova droga “anti-obesidade” e os mesmos velhos dilemas...
- Fugindo do sedentarismo no ambiente de trabalho
- Comer antes de dormir, crime por assalto à geladeira ou estratégia nutricional consciente?
- Os (muitos) problemas do IMC!
- Perder peso ou emagrecer?
- As hipóteses, os fatos e as “picuinhas metabólicas” na Nutrição Esportiva...
- O exercício e a vitamina D previnem queda em idosos?
- Tempo ativo ou tempo sedentário: o que é mais importante para a saúde?
- “Exercício é remédio” para a osteoartrite!!
- Estudo sugere que o uso de suplementos anabólicos pode causar câncer.
- Sobre a busca do corpo perfeito...
- Então a alimentação (e não o exercício) é a chave para combater a obesidade? Calma, muito cuidado nessa hora!
- Feliz Páscoa!!
- Ingestão de bebidas alcóolicas inibe o emagrecimento?
- Exercício em jejum “revisitado”– associar treinos em jejum à dieta hipocalórica emagrece mais?
- Ciência inForma comenta o caso Anderson Silva
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 2)
- Projeto: "Saúde e Bem-Estar na Obesidade"
- Suplementos esportivos fazem mal à saúde?
- Lançamento do Livro: "A Dieta Ideal"
- Procedimentos estéticos como drenagem linfática, criolipólise e carboxiterapia emagrecem?
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 1)
- Boas Festas e Férias!!!
- O placebo na nutrição esportiva
- Ciência Informa Responde: Para onde vai a gordura?
- Lipoaspiração e seus efeitos adversos...
- Ciência Informa Responde: perda de peso em Spas
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe? – Parte 2
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe?
- Curso USP: Suplementação Esportiva
- Quer emagrecer? Desligue a TV!
- Perder Peso ou Emagrecer?
- Sejam Bem Vindos!!!



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo