Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

08 de fevereiro de 2015

Vida e Saúde

Ciência inForma comenta o caso Anderson Silva

Semana passada, fomos todos pegos de surpresa por notícias sobre Anderson Silva sendo pego em exames anti-doping. Como de costume, a mídia parecia mais preocupada em emitir opiniões e “julgar” o caso, do que em informar de fato. Em meio a informações desencontradas, (ex-)fãs revoltados e defensores do politicamente correto, apresento aqui um esforço para analisar o caso frente ao conhecimento científico. O post será mais longo do que o usual, mas um tema tão especial como este não poderia ser tratado com menos cautela.


Informações desencontradas

Algumas notícias deram conta que os testes de Anderson Silva acusavam a presença de dois hormônios esteroides anabólicos androgênicos: drostanolona e androsterona. Ao que parece, o atleta foi testado em 3 ocasiões: nos dias 9 e 19 de janeiro foram colhidas amostras de sangue e no dia 31 de janeiro foi colhida amostra de urina. As substâncias proibidas foram encontradas apenas na amostra de sangue colhida em 9 de janeiro. No entanto, outras fontes afirmam que a amostra de urina (e não de sangue) continha metabólitos de drostanolona (em vez da própria substância). É que o se vê, por exemplo, no suposto resultado oficial emitido pelo laboratório responsável pelas análises (veja aqui a imagem publicada em um site norte-americano). Nesta imagem, vê-se que o tipo de amostra analisada foi urina e que as substâncias encontradas foram: 


- 17-methyl-5b-androstane-3,17-diol (provável metabólito da 17-methyltestosterone)


- Metabólito de drostanolone (não há referência sobre qual metabólito)



O resultado do teste não faz alusão à substância androsterona, um esteroide natural, exceto quando relata sua concentração da urina (1800 ng/ml  - valores típicos são próximos a 1000 ng/ml), assim como faz para outros indicadores de seu perfil de hormônios andrógenos naturais. Aliás, nada fora do normal. 


Antes de analisar o caso, vale a pena esclarecer alguns pontos básicos sobre o uso de esteroides.



O que são esteroides anabólicos androgênicos?


Como o próprio nome sugere, são hormônios que levam a dois efeitos no organismo: efeito anabólico e efeito androgênico. O efeito anabólico refere-se ao crescimento de tecidos. Nos músculos, esse crescimento leva ao ganho de massa muscular e, por consequência, de força. É o efeito anabólico que atletas e frequentadores de academias almejam quando fazem uso de esteroides. Já os androgênicos referem-se aos seus efeitos masculinizantes: engrossamento da voz, calvície, crescimento de pelos e etc. Tidos como efeitos colaterais, os efeitos androgênicos são indesejados pelos usuários.


O organismo humano é capaz de produzir esses hormônios, sendo a testosterona o principal esteroide natural. Em homens, a produção de testosterona é obviamente maior do que em mulheres.



Uso e abuso de esteroides anabólicos androgênicos


Devido a seus potentes efeitos sobre o ganho de massa muscular e força, existem muitas preparações de esteroides, as quais visam o tratamento de doenças em que a perda de massa muscular e força são críticas. O uso clínico de esteroides também se estende ao tratamento de deficiências na produção de testosterona (hipogonadismo masculino), e também ao tratamento de certos tipos de câncer (em especial, o câncer de mama).


Mas o uso de esteroides entre atletas e entusiastas é certamente o mais conhecido (e polêmico...). O aumento de seus músculos e de sua força pode lhes ajudar (e muito!) a competir melhor, especialmente em esportes em que ter força faz diferença, como é o caso das lutas. Claro, quanto maior a dose utilizada, maiores são esses efeitos e, por isso, muitos usam doses muito altas, chegando a mais do que 100 vezes a dose fisiológica! É o que os médicos chamam de abuso de esteroides.


As duas principais maneiras de usar esteroides são por injeção intramuscular e por via oral. As preparações para injeção são normalmente a base de óleo, e costumam causar bastante dor no local da aplicação. A “vida” do esteroide injetado é longa, podendo circular por 1 a 4 semanas no sangue após sua injeção. Por esse motivo, a “janela de oportunidade” para detecção em exame anti-doping é maior quando o esteroide é injetado. Por outro lado, as preparações orais são metabolizadas de forma mais rápida, sendo que a “vida” após sua ingestão não costuma ser maior do que 2 dias. Assim, a “janela de oportunidade” para detecção no anti-doping é mais restrita.



O que é o 17-methyl-5b-androstane-3,17-diol, encontrado na urina de Anderson Silva?


Quando ingeridos via oral, os esteroides passam pelo fígado antes de chegaram à circulação, onde são inativados. Para evitar essa inativação, as preparações via oral geralmente envolvem a adição de grupos químicos ao esteroide (grupo metil ao 17º carbono, na maioria das vezes). Por isso, o nome de muitos anabolizantes de via oral começa com 17-methyl. A propósito, a substância que aparece no suposto exame de Anderson Silva é um metabólito de algum 17-methy-esteroide (provavelmente 17-methyltestosterone – veja aqui). Posso afirmar isso porque todos os 17-methyl esteroides mantêm esse grupo metil quando são metabolizados (referências aqui e aqui). Na urina, o que se vê são seus 17-methyl metabólitos, e não os 17-methyl esteroides ingeridos. Portanto, é seguro dizer que a presença de 17-methyl-5b-androstane-3,17-diol na urina é decorrente da metabolização de um 17-methyl esteroide ingerido por via oral. Essa substância não poderia ter aparecido na urina por outra maneira.



O que é a drostanolona?


Trata-se de um esteroide sintético, não produzido em nosso organismo. Pode ser encontrado tanto em preparação oral como injetável. Portanto, não há como saber se a presença de seus metabólitos na urina foi decorrente da ingestão oral ou da infusão de drostanolona. Muito utilizada no tratamento de câncer de mama, essa droga é bastante anabólica, normalmente utilizada em combinação com outros esteroides por atletas. Seus dois metabólitos que chegam à urina são 2-alpha-Methyl-5-alpha-androstan-3alpha-17-beta-diol e 3-alpha-hydroxy-2-alpha-Methyl-5alpha-androstan-17-one (veja aqui). Não se sabe qual dos metabólicos foi encontrado na urina de Anderson Silva, mas é provável que seja o último, já que esse é o principal metabólito da drostanolona.



É possível que essas substâncias tenham chegado “por acidente” ao corpo de Anderson Silva?


Sim, essa possibilidade existe, já que tanto a 17-methyltestosterone (provável origem da 17-methyl-5b-androstane-3,17-diol na urina) como a drostanolona podem ser ingeridas por via oral. Caso tivessem sido encontrados metabólitos de esteroides exclusivamente injetáveis, seria mais difícil justificar “injeção” acidental. 


A ingestão acidental de esteroides pode ocorrer pelo consumo de qualquer coisa (suplementos no topo da lista dos suspeitos!) contendo quantidades, ainda que mínimas, dessas substâncias. Estudos mostram que o consumo de suplementos contaminados com quantidades ínfimas de esteroides (tão pequenas que nem de longe melhoram desempenho) podem levar o atleta a ser testado como positivo (veja aqui). Esse é caso de Anderson Silva? Impossível saber! Mas qualquer julgamento sobre o assunto sem a devida instrução seria irresponsável e leviano.



Ingerir “por acidente” não exime os atletas de suas culpas


O código anti-doping é muito claro quando diz que os atletas são responsáveis pelas substâncias presentes em suas amostras. Embora casos anteriores de atletas brasileiros pegos no anti-doping tenham resultado em penas brandas sob a alegação de consumo de suplementos contaminados, essa justificativa não é aceita por agências internacionais anti-doping.



Drogas anti-inflamatórias: uma defesa para Anderson Silva?


Alguns noticiários afirmam que a defesa de Anderson Silva será baseada no uso de drogas anti-inflamatórias. Não está claro quais drogam ele teria tomado, mas posso supor que sejam anti-inflamatórios não esteroidais, como o ibuprofeno e o diclofenaco. Essas drogas têm algo em comum com esteroides anabólicos androgênicos: todas são metabolizadas pelo mesmo grupo de enzimas. Portanto, seu uso poderia afetar a metabolização dos esteroides, possivelmente alterando resultados anti-doping (veja aqui). No entanto, estudos em humanos não confirmaram essa hipótese, mostrando claramente que, mesmo em doses altas, os anti-inflamatórios não seriam capazes de alterar resultados anti-doping. Cabe ainda ressaltar que a alteração ocorreria na taxa T/E (testosterona/epitestosterona), e não no aparecimento de metabólitos que, em situações normais, não deveriam estar na urina. Portanto, acho improvável que alegações dessa natureza sejam aceitas.



Devemos condenar Anderson Silva?


Independentemente de ter feito uso ou não de esteroides, devemos, antes de julgar a moralidade de Anderson Silva, fazer algumas considerações. No esporte de altíssimo nível, a maioria esmagadora de atletas faz ou já fez uso de uma ou mais substâncias proibidas com o intuito de melhorar o desempenho. Que diga Lance Armstrong.... Por quê? Pelo simples fato de que não usar implica uma desvantagem enorme frente àquela maioria de adversários que usam. A verdade, por mais que muitos neguem, é que usar doping significa competir em igualdade de condições. E por que os atletas negam? Por ser proibido, e pelo estigma que se impõe aos que admitem ou que são pegos usando. E por que somente a minoria (menos do que 2%) dos atletas testados é pega? Porque os testes são muito falhos. Conhecendo o comportamento da droga no corpo, é relativamente fácil ajustar seu uso para, no dia da competição, o atletas estarem “limpos”. Teste fora de competição tendem a “positivar” mais do que os testes em competição. Ainda, drogas novas são “desenhadas” exclusivamente para serem utilizadas por atletas sem que sejam pegos no anti-doping.


Portanto, condenar Anderson Silva por usar esteroides significa condenar a estrutura que sustenta o esporte de alto nível, incluindo os mega-espetáculos e a cultura do “winner takes all” (apenas o vencedor ganha tudo: fama, dinheiro, contratos e etc.). Os atletas são, provavelmente, apenas o elo mais frágil dessa corrente. Ao Anderson Silva, como seu fã, desejo apenas sorte em sua recuperação.



Um abraço, e até a próxima!



Guilherme Artioli - Blog Ciência Informa


www.cienciainforma.com.br







Comentários

Veja também


- Os (muitos) problemas do IMC.
- Cirurgia Bariátrica: efeitos na massa muscular e óssea
- É possível emagrecer fazendo apenas exercício?
- “Se eu não tomar meu antibiótico até o fim, vou criar bactérias resistentes?”
- Constipação: muito além da fibra e água!
- Como funciona o efeito placebo? Parte 1
- Obesidade Juvenil - quantas horas por dia seu filho fica sentado?
- É difícil emagrecer, mas tão fácil recuperar! Entenda o porquê.
- Por que é tão fácil engordar? - Parte 1
- Tontura e desmaio após o exercício? Não é hipoglicemia!
- Dicar para não exagerar (muito) nas festas de fim de ano
- Homeopatia e efeito placebo
- Quando crer é poder: novas evidências do efeito placebo na Nutrição Esportiva!
- Emagrecimento com exercício? Esqueça a balança!
- Como melhorar o resultado do seu paciente ou aluno?
- Exercício e Nutrição na Obesidade Materna
- O “coach” e a cartomante
- Por que não devemos comentar sobre o peso (ou corpo) das pessoas, mesmo quando...
- Como a atividade física previne o câncer?
- Balcão da cozinha e obesidade – existe alguma relação?
- O que é microbiota?
- Exercício ou dieta? Qual o melhor para emagrecer?
- “Tratamento” medicamentoso para perda de peso.
- Futura mamãe, quer ter mais saúde durante a gravidez? Exercite-se!
- Videogames ativos e saúde infanto-juvenil
- Transtornos Alimentares - o que são e o que fazer?
- Perda rápida de peso nos esportes de combate
- 5 mitos sobre emagrecimento para esquecer de uma vez por todas
- Transtornos alimentares: O que o profissional de Educação Física tem a ver com isso?
- Perda de peso corporal e metabolismo: sobre o estudo do "the biggest loser"
- Por que eu não devo fazer compras no mercado com fome?
- Por que a perda rápida de peso deve ser banida dos esportes de luta?
- Exercício e depressão
- Como emagrecer e ganhar massa muscular ao mesmo tempo?
- Por que envelhecemos? Como podemos combater o envelhecimento?
- Tudo que eu gosto é ilegal, é imoral ou engorda!!!!!!!!!!!!
- Placebo “injetável” melhora o desempenho esportivo.
- Termogênicos para emagrecer?
- Exercício físico (aeróbio): um forte aliado luta contra o câncer.
- Água alcalina faz bem para a saúde?
- Fisicamente Ativo vs Sedentário
- Misturar bebida alcoólica faz mal?
- Hipoglicemia durante o exercício - isso é possível?
- Por que sentimos câimbras?
- Glutamina melhora o sistema imune?
- Água emagrece? Sim, não ou talvez?
- Estou seguro! Estou tomando esteroides com acompanhamento de um especialista!
- Mudando paradigmas no “tratamento” da obesidade.
- 9 motivos para não usar esteroides anabolizantes
- Efeitos adversos dos suplementos nutricionais
- Perda de peso no MMA: estamos esperando uma tragédia?
- Gordura corporal: diga-me onde estás que te direi quem és..
- Não, géis "emagrecedores" não derretem a gordura, tampouco ela "sai no xixi"!
- O que Darwin diria sobre a obesidade.
- Leite: qual a real causa da intolerância?
- Suplementos como proteínas e creatina prejudicam a função renal?
- Creatina pode causar câncer?
- Fez lipoaspiração? Tem que treinar!
- Drenagem linfática emagrece?
- Pós-Graduação em Nutrição Esportiva - INSCRIÇÕES ABERTAS!
- Parada técnica para hidratação no futebol: necessidade fisiológica ou cuidado em excesso?
- A mais nova droga “anti-obesidade” e os mesmos velhos dilemas...
- Fugindo do sedentarismo no ambiente de trabalho
- Comer antes de dormir, crime por assalto à geladeira ou estratégia nutricional consciente?
- Os (muitos) problemas do IMC!
- Perder peso ou emagrecer?
- As hipóteses, os fatos e as “picuinhas metabólicas” na Nutrição Esportiva...
- O exercício e a vitamina D previnem queda em idosos?
- Tempo ativo ou tempo sedentário: o que é mais importante para a saúde?
- “Exercício é remédio” para a osteoartrite!!
- Estudo sugere que o uso de suplementos anabólicos pode causar câncer.
- Sobre a busca do corpo perfeito...
- Então a alimentação (e não o exercício) é a chave para combater a obesidade? Calma, muito cuidado nessa hora!
- Feliz Páscoa!!
- Ingestão de bebidas alcóolicas inibe o emagrecimento?
- Exercício em jejum “revisitado”– associar treinos em jejum à dieta hipocalórica emagrece mais?
- Ciência inForma comenta o caso Anderson Silva
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 2)
- Projeto: "Saúde e Bem-Estar na Obesidade"
- Suplementos esportivos fazem mal à saúde?
- Lançamento do Livro: "A Dieta Ideal"
- Procedimentos estéticos como drenagem linfática, criolipólise e carboxiterapia emagrecem?
- Exercício na obesidade: pensando “fora da caixa” (Parte 1)
- Boas Festas e Férias!!!
- O placebo na nutrição esportiva
- Ciência Informa Responde: Para onde vai a gordura?
- Lipoaspiração e seus efeitos adversos...
- Ciência Informa Responde: perda de peso em Spas
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe? – Parte 2
- Obesidade metabolicamente saudável – isso existe?
- Curso USP: Suplementação Esportiva
- Quer emagrecer? Desligue a TV!
- Perder Peso ou Emagrecer?
- Sejam Bem Vindos!!!



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo