Home Nutrição Exercícios Saúde Quem Somos A que viemos Contato

06 de julho de 2015

Nutrição

Qual a melhor whey protein: concentrada, isolada ou hidrolisada?

As propriedades anabólicas da whey protein são muito bem demonstradas e conhecidas. No entanto, são muitas as opções de whey protein disponíveis nas prateleiras, e é fácil encontrar pessoas com dúvidas sobre qual a melhor opção? As propagandas alegam benefícios espetaculares das formas isoladas e hidrolisadas, e o preço “salgado” pode levar as pessoas a crer que as formas mais caras podem realmente ser melhores... Mas será que os custos realmente compensam os benefícios?


 



É consenso entre cientistas que a whey protein estimula a síntese de proteínas musculares, favorecendo o ganho de massa muscular. Quando o consumo de whey (ou de proteínas de boa qualidade) é acompanhado de musculação, o estímulo para a síntese proteica é ainda maior, sendo essa a melhor forma de ganhar massa magra. Muito embora esse seja um ponto pacífico, ainda se discutem alguns detalhes sobre a suplementação de whey protein, muitos deles já tratados aqui neste blog. Hoje discutirei as diferenças e semelhanças entre whey concentrada, isolada e hidrolisada.



 



Qual a diferença entre whey protein concentrada, isolada e hidrolisada?



Quando exposto a pH ácido, o leite talha. Isso ocorre porque uma proteína chamada caseína forma uma espécie de coágulo. Esse coágulo não apenas contém caseína, mas também a gordura do leite. Assim, a parte sólida do leite talhado contém caseína e lipídios. Já a outra parte, ou fração líquida, contém as demais substâncias hidrossolúveis do leite, como a lactose, algumas vitaminas e as diversas proteínas do soro do leite. O termo “whey” refere-se justamente a essa fração líquida e, portanto, as famosas whey proteins nada mais são do que as proteínas que se encontram em tal fração. Logo, as whey proteins englobam várias proteínas diferentes, sendo a lactalbuminas e as lactoglobulinas suas principais componentes.





Whey protein refere-se às proteínas encontradas na parte líquida do leite talhado. A parte sólida contém caseína e gorduras. Uma vez que a parte líquida contém outras substâncias além de proteínas, como lactose, o whey protein pode apresentar lactose em sua composição.



Durante a produção da whey protein, as proteínas do soro do leite são concentradas por meio de processos industriais e então secas, de forma que um pó rico em whey protein é obtido. É assim que a “whey protein concentrada” é produzida, forma que geralmente contém cerca de 80% de proteínas, sendo o restante composto por lactose e outras substâncias.



Já na produção da “whey protein isolada”, outras etapas de purificação são acrescidas ao processo, de tal forma que a lactose e outras substâncias são removidas e, as proteínas, “isoladas”. Assim, o produto final é mais puro, considerado livre de lactose, e com conteúdo proteico normalmente acima de 90%. Com base nisso, pode-se dizer que as duas grandes vantagens da whey isolada são: maior quantidade de proteína por porção e ausência de lactose. Se você não tiver intolerância à lactose, a única vantagem real será o maior conteúdo de proteínas.



Já a “whey protein hidrolisada” pode ser produzida tanto a partir da whey concentrada como da isolada. Se a hidrolisada for produzida a partir da concentrada, pode também conter lactose. A hidrólise pode ser obtida por diferentes processos, mas o resultado final será sempre a quebra das proteínas em fragmentos menores. Argumenta-se que essa “pré-digestão” acelera a absorção das proteínas, aumentando seu efeito anabólico.



 



Whey isolada vs. whey concentrada: vantagem para whey isolada?



Embora seja tentador acreditar que o aumento no grau de pureza (de 80% para 90%, na comparação concentrada vs. isolada) resulte em melhores resultados práticos (refiro-me a mais ganho de força e massa muscular), é muito improvável que a whey isolada tenha qualquer real benefício sobre a concentrada. Ainda que não existam estudos que comparem diretamente os efeitos dessas duas formas, há muitos bons indícios de que investir em whey isolada não vale a pena, a não ser que você seja intolerante à lactose.



Existe um limite máximo do estímulo à síntese proteica promovido pela proteína. Sabe-se que, em adultos saudáveis, esse limite gira em torno de ~20 g de proteína. Doses maiores não resultam em mais síntese proteica! Portanto, para aproveitar ao máximo o potencial de uma whey protein com grau um pouco menor de pureza, bastaria aumentar um pouco mais a dose. No caso da whey concentrada vs. isolada, as quantidades necessárias para chegar a 20 g de proteína seriam 22 g de isolada vs. 25 g de concentrada. Em uma rápida consulta a lojas de suplementos online, é fácil perceber que os custos extras não compensam: enquanto 900 g de whey concentrada saem por R$120,00, os mesmo 900 g de whey isolada saem por R$ 192,00. Na prática, o preço 60% maior vai lhe render apenas 5 doses a mais.



 



Whey hidrolisada: melhor absorção e mais efeitos anabólicos?



Novamente, a teoria (e a propaganda) são tentadoras: a hidrólise, ou pré-digestão, da whey protein faria com que sua absorção fosse mais rápida. Em teoria, essa maior velocidade de absorção resultaria em maiores efeitos sobre a síntese proteica muscular. Todavia, voltamos ao ponto de que é muito difícil melhorar o que já funciona de maneira ótima. A whey protein já é muitíssimo bem absorvida, mesmo sem ter passado por nenhum processo de hidrólise. Da mesma forma, uma dose de 20 g de whey protein já é capaz de elevar ao máximo a síntese proteica, mesmo sem nenhuma hidrólise. Nesse cenário, como poderia a hidrólise aumentar um efeito que já atingiu o máximo? Parece-me muito pouco provável que valha a pena investir R$322,00 em 900 g de whey hidrolisada (mesma marca, mesmo site de suplementos, feita a partir de isolada), ou pagar quase 3 vezes mais por um produto que muito provavelmente não será superior à boa e velha whey concentrada. 



 



Mas por que digo “muito provavelmente” em vez de “certamente”? 



Reservo-me ao direito à dúvida (ainda que muito pequena) pelo simples fato de que não encontrei, a despeito de meus esforços em achá-los, nenhum estudo que comparasse diretamente os efeitos dessas 3 formas de whey. De qualquer forma, a mim faz sentido que tais estudos não tenham sido feitos: o referencial teórico e as hipóteses são fracos, e esse tipo de comparação não constitui, ao meu ver, uma pergunta científica relevante.



 



Para concluir



Se você não é intolerante à lactose, é muito provável que a pureza ligeiramente maior da forma isolada não compense seus custos. É igualmente improvável que a forma hidrolisada tenha qualquer benefício em termos de ganho de força e massa muscular em relação às formas não hidrolisadas. Portanto, a forma concentrada continua sendo a opção de melhor custo-benefício para a grande maioria das pessoas. Claro, desde que exista real necessidade de consumo de suplementos proteicos...



Um abraço e até a próxima!



 



Guilherme Artioli - Blog Ciência inForma



www.cienciainforma.com.br



Para saber mais:



Devries MC and Phillips SM. Supplemental Protein in Support of Muscle Mass and Health:  advantage Whey. Journal of Food Science Vol. 80, S1, 2015.



Churchward TA, Burd NA, Phillips SM. Nutritional regulation of muscle protein synthesis with resistance exercise: strategies to enhance anabolism. Nutrition & Metabolism 2012, 9:40.







Comentários

Veja também


- Como preparar seu intestino para os suplementos esportivos.
- Rapadura durante os treinos longos.
- Proteínas, quanto mais melhor?
- Vitamina C para gripes e resfriados? Entenda como (e se) funciona
- O atleta que consome muito café também se beneficia da suplementação de cafeína no esporte?
- Como o estresse influencia a dieta?
- Jejum Intermitente - parte 2!
- Emagrecimento. Uma caloria é só uma caloria e pronto. Será mesmo?
- Jejum Intermitente - parte 1!
- Os diferentes tipos de açúcar presente nos alimentos que muita gente não conhece.
- Alimentação infantil
- Café com óleo de côco emagrece?
- “O bom da dieta é que eu não tenho que pensar.”
- Afinal, se não é para fazer dieta, posso comer à vontade?
- Por que ler o rótulo de alimentos industrializados é tão importante? E o que devo ler?
- Atletas que tomam muito café não se beneficiam da suplementação de cafeína?
- Comedor compulivo ou impulsivo?
- O que são alimentos frescos, processados e ultraprocessados?
- Proteínas antes de dormir e hipertrofia.
- Proteínas, quanto mais melhor…será mesmo?
- Carboidratos de baixo índice glicêmico (waxy-maize e isomaltulose) são superiores aos carboidratos convencionais?
- Quanto os atletas comem?
- Amino Spiking: o bom (#SQN) e velho gato por lebre na indústria de suplementos
- Refrigerante para provas/treinos de longa duração?
- Suplementar cafeína atrapalha os efeitos da creatina?
- Índice Glicêmico - um conceito supervalorizado?
- Senhores pais, por favor, prestem atenção ao que seus filhos estão comendo!
- É preciso comer de 3 em 3 horas para ganhar massa muscular?
- Comer de 3 em 3 horas emagrece?
- Proteínas e saciedade.
- Comer de 3 em 3 horas aumenta o gasto energético?
- Alimentos com baixa caloria funcionam?
- Suplementação com Bicarbonato de Sódio
- Café da manhã, a refeição mais importante do dia ou a mais supervalorizada?
- Afinal, por que há tantas controvérsias no mundo da nutrição?
- Suplementos alimentares - como saber qual funciona?
- Leucina auxilia na hipertrofia muscular?
- O que comer no pós-treino: suplementos ou fast food??
- Carnitina aumenta a queima de gordura, mas....
- Por que paramos (ou não) de comer?
- Filme = Pipoca? Cuidado!
- Qual é o melhor óleo para cozinhar?
- Precisamos suplementar sódio durante o exercício prolongado?
- Nutrição Esportiva: de olho na resposta individual de cada atleta!
- Quem realmente precisa de isotônicos?
- Beta-alanina: o que é, como funciona e quais seus efeitos?
- Dieta da proteína, Atkins, Dukan, cetogênica...
- Barrinhas de proteínas?
- Tribulus Terrestris e as falsas propagandas de aumento de testosterona, força e massa muscular
- O papel dos carboidratos na reposição de glicogênio muscular
- Suco de beterraba e suplementação de nitrato: seguro e efetivo?
- “Correr, correr, é o melhor para poder emagrecer...” será mesmo?
- Afinal, há pontos positivos na dieta paleolítica???
- Paleo diet: a mais nova-antiga dieta da moda
- Atletas adolescentes precisam de suplementos esportivos?
- Carboidratos podem melhorar o desempenho físico, mesmo se você não os ingerir.
- Suplementação de carboidratos durante o exercício.
- Existe alimento proibido?
- Frango com batata doce?
- Qual a melhor whey protein: concentrada, isolada ou hidrolisada?
- Carboidrato e performance: "train low compete high"
- Consumo de carboidratos no pré-treino, quem precisa se preocupar?
- Carboidratos e ganho de massa muscular
- Quem precisa suplementar antioxidantes?
- Creatina, qual a melhor forma?
- Creatina antes ou depois do treino? Um novo estudo reabre a questão...
- Intervenção da Nutrição no "Medida Certa" do Fantástico
- Suplementação de proteínas e a "Janela de Oportunidade"
- Se eu não devo fazer dieta, o que eu faço?
- O que são e como funcionam (se é que funcionam...) os suplementos “pré-treino”?
- Suplementação de carboidratos: alimento ou suplemento?
- Com culote ... "sans culotte"
- Radicais livres: combatê-los ou não combatê-los?
- Suco de beterraba para “nitrar” seu treino!
- Frutose: devemos nos preocupar?
- Guia Alimentar para a População Brasileira: o guia que acertou em cheio e conquistou o mundo!
- Suplementação de proteínas e emagrecimento
- Comida vicia?
- Suplementação de arginina e citrulina melhoram o desempenho?
- Para ganhar mais massa magra, devo comer de 3 em 3 horas?
- Bifinho para ficar fortinho!
- Suplementação de proteínas e exercícios de endurance: além da hipertrofia muscular
- Comer de 3 em 3 horas ... porque mesmo?
- Suplementação de creatina: tem que fazer “carregamento”?
- Suplementação de glutamina e intestino: para quem?
- BCAAs para corredores e maratonistas: mais um caso de desperdício de dinheiro?
- Perigo: suplemento contaminado!
- BCAAs e Treinamento de Força
- Se um alimento pode dar alergia, o melhor é evitá-lo? Não.
- Vale a pena suplementar glutamina?
- Ciência Informa responde: Comer salada antes da refeição faz com que eu coma menos?
- Frutinhas milagrosas: qual o real benefício do goji berry?
- Nos alimentamos de nutrientes ou comida?
- Suplementos de Vitaminas e Minerais engordam?
- Chá verde, chá branco e chá oolong realmente emagrecem?
- Treinamento concorrente: mais uma aplicação da suplementação de creatina
- Termogênicos (Parte 3): o que esperar da cafeína?
- Termogênicos parte 2: A falha lógica das substâncias termogênicas
- Dietas Restritivas: Detox….desintoxicar o que?
- Ciência Informa Responde: maltodextrina
- Termogênicos parte I: carnitina como fat burner
- Suplementação de HMB: muito bom para ser verdade?
- Alimentos diet e light funcionam?
- Em excesso, até água faz mal!
- O que os suplementos realmente podem fazer por você?
- Proteína para que te quero - Parte 5: Suplementação de proteínas para idosos
- Carboidrato e Peso Corporal
- Quais os riscos da suplementação com beta-alanina?
- Proteína para que te quero - Parte 4: A JANELA DE OPORTUNIDADE e a suplementação de proteínas
- A desidratação realmente piora o desempenho esportivo?
- Proteína para que te quero - Parte 3: A fonte de proteína faz a diferença? Qual a melhor fonte proteica?
- Beta-alanina para quem?
- Proteína para que te quero - Parte 2
- Alimentação é uma simples questão de escolha?
- Proteína para que te quero - Parte 1
- Beta-alanina: o que é e o que faz esse novo suplemento?
- Quer emagrecer? Fuja das dietas...
- Suplementação de creatina: antes ou após o treino?
- Sem Glúten ou Com Glúten?
- Carboidrato à noite engorda?
- Até tu, adoçante?



Busca

Receba Atualizações

Envia sua sugestão de temas


Nossos Colaboradores

Prof. Bruno Gualano, PhD
Prof. Associado da Universidade de São Paulo

Profa. Desire Coelho, PhD
Nutricionista Clínica e Esportiva

Profa. Fabiana Benatti, PhD
Pós-Doutora na Universidade de São Paulo (USP)

Prof. Guilherme Artioli, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo

Prof. Hamilton Roschel, PhD
Prof. Dr. da Universidade de São Paulo